Total de visitantes até hoje

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Notícia aos visitantes

Notícia aos visitantes Quem registra se eterniza! Venha conferir, sua participação é fundamental... Idéias, sugestões e ponto de referência, vem!

domingo, 22 de novembro de 2009

Poder Executivo e Legislativo Municipal de Nova Londrina -PR









 




sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Nova Londrina/PR - 1950/1956 - Onde o sonho começou e Os Pioneiros


Os pioneiros de Nova Londrina/PR - 1950/1956 - Onde o sonho começou!

Pioneiros - 1950 a 1956
Onde o sonho começou! 

















Vídeo feito em 1951 pela "Colonizadora Nova Londrina - Ltda" e que era reproduzido nos cinemas do Brasil com o objetivo de trazer colonizadores para Nova Londrina-PR
Vídeo de 1951 ref a hist de NovaLondrina -
1ª parte - http://www.youtube.com/watch?v=Tg8glvhiiEc
2ª parte -
http://www.youtube.com/watch?v=Sblgasmmwck

Fontes: http://www.youtube.com/watch?v=Tg8glvhiiEc&feature=PlayList&p=12648997489D905B
http://www.youtube.com/watch?v=Sblgasmmwck&feature=PlayList&p=12648997489D905B



















Imobiliária Nova Londrina

A HISTÓRIA DE NOVA LONDRINA

DE ONDE TUDO COMEÇOU

















Foto: Padre José Bevilácqua, Silvestre Dresch,

João Fragoso e Nadir Bender


























 OS PIONEIROS DE NOVA LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ - BRASIL


          Considerados os Fundadores da Cidade: Silvestre Dresch; Armando Valentim Chiamullera; Leopoldo Lauro Bender; Ewaldir Bordin e Salim Zaidam.

          Pioneiros: Albino Mezzaroba; Albino Roman; Albino Sachetti; Arcino Chiamullera; Alécio Tomazoni; Alfeu Franco Furtado; Angelo Pontim; Angelo Sarto; Anselmo Rigo; Antonio Bogoni; Antonio Bortolini; Antonio Casques; Antonio Henrique Faria Filho; Antonio Perez Sanches; Antonio Ormeneze; Antonio Rosinski; Arduino Raschietti; Argeu Mendes; Aristides Martello; Arlindo Santin; Arnaldo Hass; Arno Ravache; Armando Valentim Chiamullera; Arthur de Almeida; Avelino Antonio Colla; Avelino Veit; Benedito Pereira de Lima; Benjamim Raizer; Bruno Veit; Carlos Antonio Ghering; Carlos Kriger; Ceslau Zielonka; Cinilio Franco de Oliveira; Dino Ceratt; Domingos Faganello; Edmundo Grabowski; Eduardo Barbosa; Edvino Maldener; Elias Santos; Elkina Veit; Ernesto Longo; Eugênio Chulz; Eugenio Stanghrelin; Ewaldir Bordin; Fioravante José Montanher; Francisco Caires; Francisco Redana; Francisco Scherer; Frederico Valle; Fritz Dona; Gastone Balduzzi; Geraldo Decker; Halim Maaraoui; Hilario Zillio; Isidoro Bisinella; João Belinaso; João Brandalise; João Carlesso; João Daltoso; João de Deus Costa; João Leitner; João Montovani; João Mezzaroba; João Pontin; João Soares Fragoso; João Venâncio da Rocha; Joaquim Domingues Ferreira; José Abelarde de Barros Alcântara; José Bedin; Pe. José Caires; José Cardoso de Campos (Pai do Negreto); José de Deus Costa; José Fernandes; José Gauzer; José João Budel; José Leitner; José Mestriner; José Pasa; José Raymundo; José Rocha Neto; José Ruiz Hidalgo; José Venâncio; Júlio Antonio de Mattos; Julio Rinaldo Tesser; Lauro Garcia do Amaral; Leopoldo Lauro Bender; Luiz de Deus Costa; Luiz Paviani; Luiz Tinei; Manoel Bono Rodrigues; Marcos de Santi; Marino Dante Tedeschi; Mario Pasa; Maio Rill; Martinho Franzener; Maximiliano Bertasi; Miguel de Oliveira Caires; Mohamad Abdala Kadri; Narciso Santin; Olindo Mestriner; Olivier Grendene; Ondina Cureau Giaccobo; Oscar Müller; Osvaldo Madaloso; Palmira Heringer Horsths (Mulata); Pedro José Machado; Pedro José de Souza; Pedro Olivo; Pelazio Zemiro Ciesca; Primo Bisinella; Rames Sassin; Ricardo José Dona; Romeu Barbosa de Souza; Rosalvo de Souza Dourado; Sabino Bisinella; Salim Saidan, Sauer Salum; Sebastião de Deus Costa; Sebastião do Nascimento Lopes; Sergio Barbosa da Silva (pai do Zezinho); Severino Pedro Troian; Silvestre Dresch; Sodalio Cardoso; Sperandio Batistelli; Theobaldo Augusto Werlang; Valdemar Picolli; Valdomiro Ferreira de Siqueira (Primeiro Coletor); Valdomiro Simeão Rodrigues; Vicenz Franz Westerkamp; Winfried Thaler; Estéfano Shanhuk; José Katarinhuk; Octávio de Pauli; Alcindo Pinto de Arruda; José Bolivar Garcia Lellis; Vicente Garcia Lellis; Vicente Soares Leite (Sogro do Prefeito João Fernandes de Almeida) e Daniel Cardoso dos Santos.

Foto de trabalhadores chegando em Nova Londrina



 
Primeiro empreiteriro de Nova Londrina



Vicente Soares Leite

1º Empreiteiro de Nova Londrina

Nascido em 25 de abril de 1912 – quinta-feira, Crato/CE; signo – touro; Religião – Evangélico – Igreja Congregação Cristã no Brasil. Falecido em 31 de agosto de 1994, Segunda-feira, (aos 82 anos de idade) na cidade de Monte Negro/RO, onde está sepultado.
Filho de: Antônio Soares Primo – nascido em Aurora/Ce, fazendeiro em Crato/CE, faleceu aos 62 anos de idade; Mãe: Alexandrina Marcelino do Amor Divino Leite (falecida aos 96 anos de idade), sepultada no Cemitério Municipal de Nova Londrina, Estado do Paraná.
Foi Casado com Francisca Soares Feitoza (Doquinha – falecida em 19/12/1989), sepultada em Cabixi/RO; Residiram por longos anos na Sangra-Seca, zona rural de Nova Londrina/PR.

Tiveram filhos legítimos, de criação e Um adotivo:

Três filhos falecidos, ainda bebês: Wallacy, Osther e Neide; Dez vivos: Lêda; Abraão; Iêda; Antônio; Osmídio; Nêda; Mêda (Preta); Cirema; Uêda e Eda (Edinha). O filho adotivo: Elias Soares Leite. Filhos de criação – Nenê e Maria de Campos.

Foi Enfermeiro por 05 anos no Estado do Ceará.; foi o primeiro empreiteiro de Nova Londrina – Paraná – que a frente de 40 homens, dedicou-se à empreita de abrir as ruas, tudo na base da foice, do facão, do machado e da enxada; Foi lavrador, Sitiante; Foi delegado (por 04 anos) nos municípios de Nova Londrina/Pr e Marilena/PR.

Foto de Palmira Eringe Horsths
(Maria Mulata) 

Os primeiros moradores
começaram a chegar
em 1951,
Palmira Eringe Horsths ,
conhecida como
“Maria Mulata”,
é considerada como a
primeira moradora da cidade,
Abriu o primeiro
Restaurante e a primeira Pensão
de Nova Londrina.





























Histórico da cidade

Em meio à História do Estado do Paraná, são raros e imprecisos os dados relativos as primeiras notícias de povoamento e colonização da localidade onde se encontra a cidade de Nova Londrina. Sabe-se contudo, que desde antes do ano de 1930, existiu um “picadão” que partindo do Porto São José, no rio Paraná, nos limites do Mato Grosso do Sul, cruzava as terras circunjacentes do atual município de Nova Londrina para atingir a fazenda Montoya local onde se encontra a cidade de Paranavaí.

De acordo com as informações obtidas em 1947, alguns sertanejos se instalaram na localidade mais tarde denominada Patrimônio Marilena situado na gleba Paranapanema, distante quatro quilômetros da atual sede de Nova Londrina e oitenta da sede municipal de Paranavaí.

Objetivando a extração e aproveitamento das madeiras de lei abundantes na região, e a exploração de suas terras férteis e ubérrimas no período de 1947 a 1950, estabeleceu-se ali a empresa imobiliária Terras e Colonização Paranapanema LTDA foi desmembrada e vendida parte para a Imobiliária Nova Londrina LTDA e parte para a empresa Colonizadora Marilena LTDA, cujo os titulares eram André Luiz Volpato, Amadeu Deniz, Antenor Borba, Índio Brasileiro Borba, e José Abelardo Barros Alcântara.

A primeira grande derrubada de que se tem notícia foi feita na fazenda Amapuvo. A segunda derrubada procedeu-se na Serraria Areia Branca, de Loureiro Junior LTDA. A terceira derrubada se deu num lugar chamado Rancho Alegre, depois Fazenda Santa Helena.

No período de quatro anos, a partir de 1947, existiam quatro posseiros, Henrique Palma estabelecido na margem do picadão no Ribeirão Areia Branca do Tucum, José Nitche mais ao interior, Domingos de Tal, a margem do Ribeirão do Tigre e Anastácio Belo que possuía uma derrubada na Areia do Tucum mas lá não residia.

Entretanto como os primeiros colonizadores oficiais das terras que constituem hoje o território de Nova Londrina devem ser considerados José Volpato e sua família que eram proprietários de uma área de 25.000 alqueires de terras, situadas dentro da Areia Branca do Tucum as margens do rio Paraná, nas proximidades do Porto São José.

Foi portanto a família Volpato que abriu as primeiras picadas na mata virgem, colocando Marilena, depois Nova Londrina em contato com os demais centros civilizados do Norte Paranaense e, por seu intermédio, dos núcleos nascentes de Loanda, Santa Isabel do Ivaí e Santa Cruz do Monte Castelo.

Fundação

A partir de 1950, com o espantoso desenvolvimento de Paranavaí, elevado a distrito em 11 de março de 1949, as terras das diversas regiões do novo progressista distrito passaram a ser grandemente solicitadas.

Entrada principal da cidade

Entusiasmado pela procura impressionante das terras da região, um grupo de colonizadores de Londrina, resolveu fundar a Imobiliária Nova Londrina LTDA, com o fim de lotear e colonizar a gleba Paranapanema e terras adjacentes localizadas no então distrito de Paranavaí, município de Mandaguari.

Figuravam como diretores da empresa imobiliária os senhores: Silvestre Dresch, Armando Valentim Chiamulera, Leopoldo Lauro Bender, Ewaldir Bordin e Salin Zaidan.

A firma foi imediatamente registrada a junta comercial do Paraná sob 19.884 em 3 de agosto de 1950. Entretanto somente em outubro de 1951 é que formam dados os primeiros passos efetivos para o início da colonização.
Rio Paranapanema Fronteira dos estados de S. Paulo e Paraná

Apesar dos esforços envidados só em 1951 é que efetivou o lançamento dos trabalhos preliminares do povoamento. Diversas casas foram construídas pela companhia, o que lhe permitiu considerar fundada a nova cidade.

Assim ficou sendo considerado o dia 20 de outubro de 1952. A companhia foi conseguindo trazer colonos de todos os rincões do Brasil, não tardando também aparecem os primeiros imigrantes estrangeiros interessados em ali se estabelecer-se.

Mas um exemplo do que ocorreu em outras terras situadas na Colônia de Paranavaí, avidamente procuradas, pelas ótimas qualidades e pela posição geoeconômica não tardaram também, a surgir questões entre posseiros e litígios entre pretensos e legítimos donos da terra.

Foi assim que, que em 1952 no local mais tarde denominado Casa queimada, nas proximidades da Areia Branca do Tucum onde se disputavam os direitos João Alves da Rocha Loures e José Volpato, foram incendiadas as propriedades, choques armados tiveram lugar e a região durante muito tempo, foi palco de dolorosos acontecimentos.

Pelas mesmas razões, nas proximidades do quilômetro 64, gleba 16 da Colônia de Paranavaí, onde a disputavam direitos de posse, Pedro Mariucci, de Cornélio Procópio e a Companhia Brasileira de Imigração e Colonização “COBRIMCO”, novos choques armados tiveram lugar.

Ambas as contendas, porém foram prudentemente acalmadas pelos órgãos competentes da justiça que, interferindo na luta fizeram serenar os ânimos, resolvendo a questão e pondo termo à luta.

Enquanto eram travados acirradamente no âmago do sertão, visando à posse da terra, quando grupos se digladiavam de armas em punho, novas e numerosas levas de colonos e trabalhadores afluíam à gleba, procurando comprar “datas” no maior e mais movimentado êxodo rural já verificado em plagas brasileiras.

Paulistas, nordestinos, gaúchos, catarinenses e até imigrantes europeus contribuíram com expressivos contingentes para a colonização e formação de Nova Londrina.

Contrato de Compra das Terras de Nova Londrina /PR - pela colonizadora

Nova Londrina - Distrito de Paranavaí/PR

Vereador Alfredo Loureiro Júnior

          Vereador Representante do Distrito de Nova Londrina - 1952

         Ver. Alfredo Loureiro Júnior - Empossado vereador na 1ª legislatura da Câmara Municipal de Paranavaí em 14 de dezembro de 1952, para exercer mandato, gestão: 1952/1956.


Sub-Prefeito Edmundo Grabowski
Gestão 30/08/1953 a 06/01/1956 


 Sub-Prefeito de Nova Londrina - Sr. Edmundo Grabowski - Gestão 30/08/1953 a 06/01/1956
O Distritito Administrativo de Nova Londrina foi criado pela Lei Municipal nº. 13 de 05 de agosto de 1953, com sede no povoado do mesmo nome, no município de Paranavaí, quando era prefeito o médico José Vaz de Carvalho.
Com a elevação de Nova Londrina a condição de Distrito, o Prefeito de Paranavaí nomeou para seu Sub-Prefeito o Sr. Edmundo Grabowski, que ficou no cargo até a posse do primeiro prefeito eleito, o Sr. Avelino Antonio Colla. Assim, a Instalação do Municpipio de Nova Londrina, deu-se em 07 de janeiro de 1956.
Pela Lei Estadual nº. 253, de 26 de novembro de 1954, aprovada pela Assembléia Legislativa do Estado Paraná que elevou o Distrito de Nova Londrina à categoria de Município. Era o Presidente da Assembléia Legislativa do Paraná o Deputado Sr. Laertez Munhoz.
O primeiro vigário da Paróquia de Nova Londrina foi o padre José Bevilácqua, que com seu trabalho ajudou a fazer a história do povo nova-londrinense.

O nome dado à cidade é uma homenagem à cidade paranaense de Londrina, considerado um dos maiores fenômenos em termos de colonização em todo o país.

Nova Feminino substantivo de “novo”, que se origina do latim “novu”, e refere-se à novidade, vida nova, notícia de pouco tempo, recente. (ABHF). Londrina do adjetivo “londrina”. Vem do termo “Londres” que é de origem céltica, no latim “Londinium”.

Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Nova Londrina, pela lei estadual n.º 253, de 26-11-1954, desmembrado de Peabiru. Sede no atual distrito de Nova Londrina (ex-povoado). Constituído de 2 distritos: Nova Londrina e Marilena, desmembrado do município de Paranavaí. Instalado em 07-01-1956.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 2 distritos: Nova Londrina e Marilena.
Pela lei estadual n.º 3554, de 07-02-1958, é criado o Distrito de Itaúna do Sul (expovoado) e anexado ao município de Nova Londrina.
Pela lei estadual n.º 3715, de 20-06-1958, é criado o distrito de Diamante do Norte, desmembrado do distrito de Itaúna do Sul e anexado ao município de Nova Londrina.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 4 distritos: Nova Londrina, Diamante do Norte, Itaúna do Sul e Marilena.
Pela lei estadual n.º 4338, de 25-01-1961, desmembra do município de Nova Londrina o distrito de Itaúna do Sul. Elevado à categoria de município.
Pela lei estadual n.º 4552, de 10-11-1962, é criado o distrito de Cintra Pimentel e anexado no município de Nova Londrina.
Pela lei estadual n.º 4788, de 29-11-1963, desmembra do município de Nova Londrina o distrito de Diamante do Norte. Elevado à categoria de município.
Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 3 distritos: Nova Londrina, Cintra Pimentel e Marilena.
Pela lei estadual n.º 5678, de 19-10-1967, desmembra do município de Nova Londrina o distrito de Marilena. Elevado à categoria de município.
Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído de 2 distritos: Nova Londrina e Cintra Pimentel.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 14-V-2001.

Gentílico: nova-londrinense














quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Vereador Representante do Distrito de Nova Londrina - 1952

Nova Londrina - Distrito de Paranavaí/PR

Vereador Alfredo Loureiro Júnior

Vereador Representante do Distrito de Nova Londrina - 1952

Ver. Alfredo Loureiro Júnior - Empossado vereador na 1ª legislatura da Câmara Municipal de Paranavaí em 14 de dezembro de 1952, para exercer mandato, gestão: 1952/1956.