Total de visitantes até hoje

domingo, 30 de janeiro de 2011

Nova Londrina/PR - dados atualizados

Resgatando a História






Nova Londrina

Nasceu de um sonho mágico, teve seu nome mesmo antes de ser fundada. Seus fundadores pioneiros foram visionários, entusiasmados, otimistas, vencedores. Transformaram um projeto, num berço querido, chamado Nova Londrina - Rainha do Noroeste Paranaense.

Informações Administrativas:

Município – Nova Londrina, Estado do Paraná.
Unidade Federativa – PR (18)
Estado – Paraná
CEP – 87.970 – 000 (Inicial e final)
Código Correios 6368
Código IBGE – 17107
Mesorregião – Noroeste Paranaense
Municípios Limítrofes – Diamante do Norte, Itaúna do sul, Marilena, Loanda, Guairaçá
Faz Fronteira com os Estados – São Paulo e Mato Grosso do Sul
Brasão -



Posição Geográfica:


Altitude (metros) – 480

Latitude – O22º 45’ 57” S

Longitude – 52º 59’ 06” W

Distância da sede municipal à capital do Estado (Curitiba) – 575 Km

Área Territorial - 270,389 Km²

População IBGE 2009 – 12.898

Número de Domicílios – 4.108 (Urbana e Rural)

Zona Eleitoral – 01 (96ª)

Eleitores – masculino 4.902; Feminino 5.008; Não Informado 10; Total 9.920

Total de Veículos Registrados em 2008 – 6.652

Densidade – 49,7 hab/km²

Clima – subtropical Cfa

Fuso Horário – UTC-3

IDH – 0,762 médio PNUD/2000 (4)

PIB – R$ - 114,491 (2005)

R$ - 8.566,00_pib_per_capita=



Histórico:




Etimologia – Vida Nova (Novidade).


Fundadores: Armando Valentim Chiamulera, Ewaldir Bordim, Leopoldo Lauro Bender, Salim Zaidan e Silvestre Dresch.


Nascimento – 01 de agosto de 1950 (primeira vez que surgiu seu nome em homenagem a Londrina/PR).


Data de Fundação – 20 de outubro de 1951(pelos fundadores).


Origem do Município – Desmembrado do Município de Paranavaí.


Data de Criação do Distrito – 05 de agosto de 1953.


Data de Criação do Município – 26 de novembro de 1954.


Data de Instalação do Município – 07 de janeiro de 1956.


Elevado à Condição de Comarca – 29/12/1962.(Instalada em 15/03/1964)


Gentílico – (nova-londrinense).


Data de aniversário – 15 de março (Lei Municipal nº 661/76 - Instituiu essa data). Nela comemora-se a Instalação de Município e a elevação de Comarca.


Número de Distritos


Administrativos – 02 (dois), Nova Londrina e Cintra Pimentel.


Comarca a que pertence – Nova Londrina.


Prefeito Eleito para o mandato 2017 a 2020– Senhor Otávio Henrique Grendene Bono - PSC.


Presidente da Câmara Municipal Eleito para gestão 2017/2018 - Ver. Márcio Martins Fortunato - PDT.


Postado por Prof. Osmar Soares Fernandes 

Nova Londrina 60 anos de história



"O Sexagenário"


1950 – 2010


 
Nos idos de 1930, essa região era mata fechada, com pouquíssimos posseiros (detentores ilegais e legais de terras), existia um “picadão”, que, partindo do Porto São José, no rio Paraná, nos limites do Mato Grosso do Sul, cruzava as terras circunjacentes do atual Município de Nova Londrina.




Objetivando a extração e o aproveitamento das madeiras de lei abundantes na região e a exploração de suas terras férteis e ubérrimas, no período de 1947 a 1950, estabeleceu-se ali a Empresa Imobiliária Terras e Colonização Paranapanema LTDA., com sede no Rio de Janeiro, dirigida por José Volpato, Antonio Scandelari e Francisco Puglielli. Foi desmembrada e vendida parte para a Imobiliária Nova Londrina LTDA (onde o sonho começou), e parte para a empresa Colonizadora Marilena LTDA.



Empreendedores e futuristas, os sócio-fundadores da Imobiliária Nova Londrina Ltda.: Silvestre Dresch, Armando Valentim Chiamulera, Ewaldir Bordim, Leopoldo Lauro Bender e Salim Zaidan, eram de espíritos otimistas, de sonhos magnânimos e arrojados.



Ao constituírem a Sociedade da Empresa Imobiliária Nova Londrina Ltda., formalizaram um Contrato o qual foi registrado no Cartório - 2º Tabelionato na cidade de Curitiba/PR, na Rua. Marechal Floriano, nº. 65, na data de 01 de agosto de 1950; A Firma foi registrada na Junta Comercial do Paraná sob nº. 19.884, em 03 de agosto de 1950. Estabeleceram na cláusula quarta, dentre outros objetivos, a formação de uma cidade, com o nome de Cidade Nova Londrina (Onde a história começou).



Os fundadores, desbravadores e visionários, não mediram esforços e bravamente enfrentaram as vicissitudes da época, e com maestria venceram todos os obstáculos para tornar aquele sonho real.



Palmira Eringe Horsths “Maria Mulata”, Chegou à Nova Londrina na companhia de Massaioshi Ota, Luiz Ota, num caminhão Ford 29 (Pé de Bode), que, enfrentando a estrada boiadeira, quase intransitável, o caminhão fundiu o motor e quebrou o câmbio. Abandonaram o carro e a pé cortaram mata à dentro... Chegaram à baixada do Rio Tigre onde tinha um acampamento de pescadores... Maria Mulata é considerada como a primeira moradora da cidade.



As primeiras casas foram erguidas a custo de muito trabalho, empenho e desejo de realização. Pioneiros vieram de todos os rincões do Brasil. Cada um trouxe consigo sonhos, entusiasmo e esperança de dias melhores. Tudo isso somou para a construção de Nova Londrina.



Com a dedicação de sua gente e de pessoas influentes na política local e regional, não tardou e Nova Londrina passou à condição de Distrito, depois foi elevada à condição de Município e finalmente a de Comarca. Conhecida regionalmente como: Nova Londrina - A Rainha do Noroeste.



Nova Londrina em 01 de agosto de 2010, completará 60 anos de História. Nasceu de um sonho construído à base de muita luta dos seus fundadores; fé de seus pioneiros; bravura de seus habitantes e a mão do Criador. Foi formada por brasileiros de costumes e culturas diferentes, e de estrangeiros que, para cá vieram com um mesmo ideal de viver em paz.





Nova Londrina hoje, tem, uma população de aproximadamente treze mil habitantes. Conta com várias Igrejas, o que demonstra a fé de sua gente, em Deus. O comércio local cresceu e atrai clientela de toda a Comarca e região. A Indústria vem expandindo seus negócios cada vez mais fortes e competitivos nos ramos de Laticínios, Fecularia e na exportação de álcool para o mundo. Tem ensino de qualidade, da Educação Infantil ao Ensino Superior - oferecendo cursos universitários através da Universidade Aberta do Brasil (UAB). Na agricultura, na pecuária e no agronegócio a evolução tecnológica do Terceiro Milênio. Quatro agências bancárias e mais o SICREDI. Um Anfiteatro que movimenta a Cultura do Município e prepara o jovem para ser o cidadão do amanhã. O esporte que envolve atletas de todas as idades, realizando campeonatos municipais, jogos estudantis, amadores e veteranos, onde esse entretenimento tem como objetivo a interação e a amizade. Seu hospital municipal acolhe seu povo na hora da dor... Academia da Terceira Idade. A maior festa popular da Região – O CARNAVAL DE RUA. Segurança Pública Civil e Militar e um Corpo de Bombeiros. Acima de tudo, uma população hospitaleira, harmoniosa e feliz.



Da Instalação do Município à gestão atual, são Treze Legislaturas, catorze prefeitos eleitos através do voto direto... O Poder Legislativo é constituído de nove vereadores para cada mandato de quatro anos.



"Preservar a história é respeitar o nosso passado."

Prof. Osmar S. Fernandes - Escritor e Historiador


 
HISTÓRICO DE NOVA LONDRINA/PR
 
Etimologia
 
Nova - Feminino substantivado de “novo”, que se origina do latim “novu”, e refere-se à novidade, vida nova, notícia de pouco tempo, recente. (ABHF).



Londrina do adjetivo “londrina”. Vem do termo “Londres” que é de origem céltica, no latim ‘’Londinium’’.


Da velha forma anglo-saxônia ‘’Londino’’, acentuada na primeira vogal, saiu à forma francesa ‘’Londres’’, da qual se derivou o português e o espanhol, no italiano ficou ‘’Londra’’ e no inglês ‘’London’’, Franco de Sá.


A Língua Portuguesa, 318. Entre os étimos célticos apontados está “ilyn dinas”, que com uma síncope daria “ilynd’nas”. O grupo ndn se tornaria wdr como o latim “lendine” se tornou em espanhol “liendre”. (AN).




PRIMÓRDIOS DA COLONIZAÇÃO
 
Ano 1930 a 1949


Em meio à História do Estado do Paraná, são raros e imprecisos os dados relativos às primeiras notícias de povoamento e colonização da localidade onde se encontra a cidade de Nova Londrina. Sabe-se, contudo, que antes de 1930 existia um “picadão” que, partindo do Porto São José, no rio Paraná, nos limites com o Estado do Mato Grosso do Sul, cruzava as terras circunjacentes do atual Município de Nova Londrina, para atingir a fazenda Montoya, local onde se encontra a cidade de Paranavaí. De acordo com as informações obtidas, em 1947 alguns sertanejos se instalaram na localidade mais tarde denominada Patrimônio Marilena, situado na gleba Paranapanema, distante quatro quilômetros da atual sede de Nova Londrina, oitenta quilômetros da sede municipal de Paranavaí e quinhentos e setenta e cinco quilômetros de Curitiba, capital do Estado do Paraná.




Objetivando a extração e aproveitamento das madeiras de lei abundantes na região e a exploração das suas terras férteis e ubérrimas, no período de 1947 a 1950, estabeleceu-se ali A EMPRESA IMOBILIÁRIA TERRAS E COLONIZAÇÃO PARANAPANEMA LTDA, a qual foi desmembrada e vendida parte para A IMOBILIÁRIA NOVA LONDRINA LTDA, com sede no Rio de Janeiro, dirigida por José Volpato, Antonio Scandelari e Francisco Puglielli. Neste período a Terras e Colonização Paranapanema Ltda., foi desmembrada e vendida parte para a Imobiliária Nova Londrina Ltda., e parte para a empresa Colonizadora Marilena Ltda., cujos titulares eram André Luiz Volpato, Amadeu Diniz, Antenor Borba, Índio Brasileiro Borba e José Abelardo Barros Alcântara.



A primeira grande derrubada de que se tem notícia foi feita na fazenda Amapuvo (nome este formado de parte dos nomes de Amadeu Puglielli e Volpato). A segunda derrubada procedeu-se na Serraria Areia Branca, de Loureiro Junior Ltda. A terceira derrubada se deu num lugar chamado Rancho Alegre, depois Fazenda Santa Helena.



No período de quatro anos, a partir de 1947, existiam na região quatro “posseiros”. Henrique Palma, estabelecido à margem do picadão, no Ribeirão Areia Branca do Tucum; José Nitche, mais ao interior; Domingos de Tal, à margem do Ribeirão do Tigre; e Anastácio Belo que possuía uma derrubada no Areia do Tucum, mas lá não residia.



Entretanto, como primeiros colonizadores oficiais das terras que constituem hoje o território de Nova Londrina, devem ser considerados José Volpato e sua família que eram proprietários de uma área de mais ou menos 25.000 (Vinte e Cinco Mil) alqueires de terras, situadas dentro da gleba Areia Branca do Tucum, às margens do rio Paraná, nas proximidades do Porto São José. Foi, portanto, a família Volpato que abriu as primeiras picadas na mata virgem, colocando Marilena, depois Nova Londrina em contato com os demais centros civilizados do Norte Paranaense e, por seu intermédio, dos núcleos nascentes de Loanda, Santa Isabel do Ivaí e Santa Cruz do Monte Castelo.

ANO 1949/1950
 
11/03/1949 - Paranavaí é elevado a Distrito
01/08/1950 – Registro em Cartório do
03/08/1950 - Registro da Firma Imobiliária Nova Londrina na Junta Comercial

"Onde tudo começou"

FUNDAÇÃO
20/10/1951 - data oficial de fundação de Nova Londrina - PR

A partir de 1950, com o espantoso desenvolvimento de Paranavaí, elevado a Distrito em 11 de março de 1949, as terras das diversas regiões do novo e progressista Distrito passaram a ser grandemente solicitadas. Entusiasmado pela procura impressionante das terras da região, um grupo de colonizadores, reunidos em Londrina/PR, resolveu fundar a IMOBILIÁRIA NOVA LONDRINA LTDA., que, imediatamente redigiram o Contrato Social da Empresa, especificado o objetivo da mesma na cláusula quarta que, estabeleceu a seguinte condição: “O objetivo da Empresa será o de negócios de compra e venda de terras, loteamento, colonização e a formação de uma cidade que terá o nome de CIDADE NOVA LONDRINA, em terras adquiridas no lugar entre o Ribeirão do Tigre e Areia Branca, no distrito de Paranavaí, município e Comarca de Mandaguari, Estado do Paraná”. Figuravam como diretores da empresa imobiliária os senhores Silvestre Dresch, Armando Valentim Chiamulera, Leopoldo Lauro Bender, Ewaldir Bordin e Salin Zaidan. 
O registro de reconhecimento de firmas dos sócio-fundadores no Contrato Social de Constituição da Empresa Imobiliária Nova Londrina ocorreu no Cartório do 2º Tabelionato de Curitiba/PR, em 01 de agosto de 1950. O registro da Firma aconteceu na Junta Comercial do Paraná, sob o nº. 19.884, em 03 de agosto de 1950. O nome da cidade foi uma homenagem à cidade de Londrina/PR.

Apesar dos esforços ousados, somente em 1951 é que se efetivou o lançamento dos trabalhos preliminares do povoamento. Diversas casas foram construídas pela Companhia e outras em processo de construção, o que permitiu considerar fundada a nova cidade pelos donos da Imobiliária. “O saudoso fundador Armando Valentim Chiamulera e os seus sócio-fundadores comemoraram a data de 20 de outubro de 1951 como sendo a data oficial de fundação de Nova Londrina, e afirmava ainda que, os políticos de Paranavaí só reconheceram este fato um ano depois, ou seja, 20 de outubro de 1952, o que para ele e seus sócio-fundadores essa data não condizia com a verdade.” O documentário produzido em duas partes, realizado em 1951, em vídeo, pela Colonizadora Nova Londrina Ltda., o que era reproduzido nos cinemas com o objetivo de trazer novos colonos de todos os rincões do Brasil, para Nova Londrina-PR., confirma a versão dos fundadores. Vídeo da História de Nova Londrina: 1ª parte - http://www.youtube.com/watch?v=Tg8glvhiiEc, 2ª parte - http://www.youtube.com/watch?v=Sblgasmmwck. A companhia foi trazendo trabalhadores de vários lugares do Brasil, não tardando, também, a aparecerem os primeiros imigrantes estrangeiros interessados em ali se estabelecerem.

Mas, a exemplo do que ocorreu com outras terras situadas na antiga Colônia Paranavaí, avidamente procuradas pelas suas excelentes qualidades e pela sua posição geométricas, não tardaram, também, a surgir questões entre posseiros, e litígios entre pretensos e legítimos donos da terra. Foi assim que, em 1952, no local mais tarde denominado de Casa Queimada, nas proximidades de Areia Branca do Tucum, onde disputavam direitos, João Alves da Rocha Loures e José Volpato, foram incendiadas as propriedades. Choques armados tiveram lugar e a região durante muito tempo foi palco de graves e dolorosos acontecimentos. Pelas mesmas razões, nas proximidades do quilômetro 64, Gleba 16 da Colônia Paranavaí, onde disputavam direitos de posse, de Cornélio Procópio, e a Companhia Brasileira e Colonização “COBRINCO”, novos choques armados tiveram lugar. Ambas as contendas, porém, foram prudentemente acalmadas pelos Órgãos competentes da Justiça que, interferindo na luta fizeram serenar os ânimos, resolvendo a questão e pondo fim à luta. Enquanto eram travados, no âmago do sertão, visando à posse da terra, quando grupos se digladiavam, de armas em punho, novas e numerosas levas de colonos e trabalhadores afluíam à gleba, procurando comprar “datas”, no maior e mais movimentado êxodo rural já verificado em plagas brasileiras. Predominou nesse “rush” histórico, o elemento gaúcho que trouxe do velho Rio Grande do sul os seus usos, costumes e tradições, a fim de implantá-los na terra rocha do setentrião paranaense. Catarinenses, Paulistas, Nordestinos e até imigrantes Europeus contribuíram com expressivos contingentes para a colonização e formação de Nova Londrina.

ANO 1951/1952


14/12/1951- foi criado o município de Paranavaí


20/10/1952 - Data de Fundação de Nova Londrina pelos políticos de Paranavaí
14/12/1952 - Vereador de Paranavaí/PR, Representante do Distrito de Nova Londrina
Paranavaí-PR:
O município foi criado com o desmembramento de Mandaguari, pela Lei Estadual Nº. 790 de 14 de dezembro de 1951, e solenemente instalado em 14 de dezembro de 1952, com a posse do seu primeiro prefeito municipal, o médico Dr. José Vaz de Carvalho. Na época de sua autonomia, o município de Paranavaí era formado apenas por dois distritos: Catarinenses e Porto São José.


Comarca de Paranavaí


A administração do Prefeito Dr. José Vaz de Carvalho imprimiu tal progresso no município que, já em 1953, pela Lei Estadual Nº. 1542, de 14 de dezembro, era elevado à categoria de Comarca, sendo instalada como Comarca de 2ª entrância em 1º de março de 1954, tendo como primeiro Juiz de Direito, Dr. Sinval Reis e primeiro Promotor Público, Dr. Carlos Alberto Manita.


Data de fundação de Nova Londrina pelos Políticos de Paravaí:


Subjetivamente, por parte de alguns representantes políticos de Paranavaí, consideraram a data de fundação de Nova Londrina o dia 20 de outubro de 1952, pelo seu grande desenvolvimento e progresso, fato este, que já era considerado pelos fundadores exatamente um ano antes, ou seja, 20 de outubro de 1951.


Vereador Alfredo Loureiro Júnior

Vereador Representante do Distrito de Nova Londrina – 1952, Ver. Alfredo Loureiro Júnior – tomou posse na 1ª legislatura da Câmara Municipal de Paranavaí, 14 de dezembro de 1952, para exercer o mandato, gestão: 1952/1956.

ANO 1953

05/08/1953 – Criação do Distrito Administrativo de Nova Londrina - Lei Municipal nº. 13
1953 a 1956 – Nomeado o Subprefeito do Distrito de Nova Londrina

O Distrito Administrativo de Nova Londrina foi criado pela Lei Municipal nº. 13 de 05 de agosto de 1953, com sede no povoado do mesmo nome, no Município de Paranavaí, quando era prefeito o médico – Dr. José Vaz de Carvalho.

Com a elevação de Nova Londrina a condição de Distrito, o Prefeito de Paranavaí nomeou para seu Subprefeito o Sr. Edmundo Grabowski, Gestão 30/08/1953 a 06/01/1956, que ficou no cargo até a posse do primeiro prefeito eleito, o Sr. Avelino Antonio Colla.


Assim, a Instalação do Município de Nova Londrina, deu-se em 06 de janeiro de 1956.
 
ANO 1954
 
26/11/1954 – Assinatura da lei que elevou o Distrito de Nova Londrina à categoria de Município




02/12/1954 - Publicada a Lei de Criação do Município de Nova Londrina. Pela Lei Estadual nº. 253-54, Art. 1º, § 5º, de 26 de novembro de 1954, aprovada pela Assembléia Legislativa do Estado Paraná, publicada pelo Diário Oficial do Estado do Paraná, em 02 de dezembro de 1954, elevou o Distrito de Nova Londrina à categoria de Município. Era o Presidente da Assembléia Legislativa do Paraná o Deputado Estadual - Sr. Laertes Munhoz. Era Governador do Estado o Excelentíssimo Sr. Bento Munhoz da Rocha Neto.

O primeiro vigário da Paróquia de Nova Londrina foi o padre José Bevilácqua, que com seu trabalho ajudou a fazer a história do povo nova-londrinense.

O nome dado à cidade é uma homenagem à cidade paranaense de Londrina, considerado um dos maiores fenômenos em termos de colonização em todo o país.

Elevado à categoria de Município e distrito com a denominação de Nova Londrina, pela lei estadual, n.º 253,-54, Art.1º, § 5º, de 26-11-1954, publicada no Diário Oficial em 02/12/1954, foi desmembrado do município de Paranavaí/PR, fazendo divisas com os Município de Terra Rica, Paranavaí e Loanda. Sede do Município - no atual distrito de Nova Londrina (ex-povoado). Constituído de dois distritos: Nova Londrina e Marilena. Instalado em 06-01-1956.


ANO 1955



11/04/1955 - Fundado o Nova Londrina Esporte Clube

25/04/1955 - fundação da Escola Municipal Arthur Bernardes

01/07/1955 – Divisão Territorial

03/10/1955 – As Primeiras Eleições Municipais para Vereadores e Prefeito01/11/1955 – Fundada a Paróquia São Pio X

 
Nova Londrina Esporte Clube (N.L.E.C)


Fundado em 11 de abril de 1955; seu primeiro presidente foi o Sr. João Venâncio da Rocha. Cores: azul e branco. O escudo simboliza o Tigre (Vale do Tigre).



O Estatuto foi totalmente reformulado, atendendo as exigências da Lei, em Assembléia Geral Extraordinária, realizada na sessão de 18 de maio de 1997. Fundou o Clube dos Cem. Era o Presidente o Sr. Osmar Soares Fernandes, gestão 1997/1998.



Clubes Campeões da Liga de  Futebol Amador de Nova Londrina/PR

 
1980 - Nova Londrina Esporte Clube;

1981 - Nova Londrina Esporte Clube;

1982 - Sociedade A. R. Sarem;

1983 - Nova Londrina Esporte Clube;

1984 - Nova Londrina Esporte Clube;
1985 -Nova Londrina Esporte Clube;

1986 - Esporte Clube São José de Diamente do Norte;

1987 - Esporte Clube Arapongas de Diamante de Norte;

1988 - Esporte Clube São José de Diamante do Norte;

1989 - Esporte Clube São José de Diamante do Norte;

1990 - Nova Londrina Esporte Clube;

1991 - S. E. Itaúna do Sul;

1992 - Esporte Clube São José de Diamante do Norte;

1993 - Marilena (GEMA);

1994 - Marilena (GEMA);

1995 - Nova Londrina Esporte Clube;

1996 - Marilena (GEMA);

1997 - S. E. Itaúna do Sul;

1998 - Terra Rica E. C.;

1999 - S. E. Itaúna do Sul;

2000 - Terra Rica;

2001 - Terra Rica;

2002 a 2004 - Não teve campeonato;

2005 - Diamante do Norte Futebol Clube;

2006 - Nova Londrina Esporte Clube;

2007 - C. A. Itaúna do Sul;

2008 - não teve campeonato;

2009 - Terra Rica.



Escola Municipal Arthur Bernardes -



Foi à primeira Escola de Nova Londrina, com o nome: "Grupo Escolar Nova Londrina", criado pelo decreto nº. 16.839, de 25 de abril de 1955, que, regularizou seu funcionamento. Não possuía prédio próprio no início. Nesse tempo as aulas eram ministradas em diferentes pontos da cidade, tais como: residências e salões comerciais. Em 1958 passou a funcionar no Pavilhão da Igreja Católica. Contava com 168 alunos, 08 professores, 01 Diretora. A Profª. Ilda de Almeida foi a sua primeira Diretora, gestão: 1956/1957.
Somente em 25 de abril de 1958 foi declarado oficialmente fundado, com o nome: GRUPO ESCOLAR ARTHUR BERNARDES
Pelo decreto 1966/78 passou a chamar-se Escola Estadual Arthur Bernardes – ensino de 1º grau (Arthur Bernardes em homenagem ao Presidente da República do mesmo nome). Computavam 610 alunos nesse período.

Depos de muita luta de seus educadores e do prefeito, Sr. Avelino Antônio Colla, passou a ter prédio próprio, inaugurado em 1960.

Primeira greve de professores aconteceu em 1968. Em 1974 ocorreu a primeira reunião de professores com a (A.P.M.). A primeira comemoração de Aniversário da Escola aconteceu em 25 de abril de 1983, jubileu de prata, era o prefeito o Dr. João de Alencar Barbosa.

Foi introduzida a pré-escola no ano de 1983. Primeira eleição de Diretoria realizada com a participação de pais de alunos e professores foi em 1984. Primeiro campeonato esportivo aconteceu em 1985.

Foi introduzido em seu ensino o CICLO DBÁSICO, abertura de áreas e o projeto – Tempo de Criança – 1988.

A Escola foi municipalizada pela resolução secretarial nº. 433/32, de 23 de julho de 1992.

Recursos Físicos:09 salas de 1ª a 4ª séries;

01 sala para Direção;

01 sala para Secretaria;

01 sala de vídeo;

01 sala para documentação;

01 sala de reunião;

01 sala para professores;

01 sala para coordenação;

03 banheiros para professores;

03 banheiros para meninos;

03 banheiros para meninas;

02 almoxarifados;

01 refeitório;

01 dispensa; e

01 quadra de esportes.


Professores no ano de 1996:
Dagmar de Oliveira; Sirlene; Aparecida; Fátima; Nancy; Silvana; Janete e Ana Neves.


Auxiliares: Helena; Maria Oliva; Verginia e Maria Pilegi.

Professores da Escola Municipal Arthur Bernardes (Antigo Grupão) da Cidade e Comarca de Nova Londrina, Estado do Paraná, que assumiram mandatos no cargo de "DIRETOR (A)" de 1956 a 2009:

















































Atual Diretora da Escola - Rozeli Fescaro Ghering gestão 2009 a 2010


01/07/1955 – Divisão Territorial

Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o Município é constituído de dois distritos: Nova Londrina e Marilena.

03/10/1955 - Eleições Municipais

Primeira Eleição Municipal de Nova Londrina, 03 de outubro de 1955, para eleger os nove (9) Vereadores do Poder Legislativo e o Prefeito (Não tinha a figura do Vice-Prefeito).


Obs.: O resultado das eleições consta no ano de 1956.

PARÓQUIA SÃO PIO X
Fundada: 01/11/1955


 
Praça da Matriz, s/n - Fone (44) 3432-1333 e 3432-1782

87 870000 - Nova Londrina - PR

Pároco: Frei Carlos Topanotti – Nasc. 16/12/70 - Ord. 12/12/98

Vigários Paroquiais:

Frei José Arnaldo Schott - Nasc. 10/08/1979

Frei Darci Nelson Berzyvara – Nasc. 02/06/74 - Ord. 14/08/99

Frei Rosário Pallo – Nascido em 19/11/40 - Ord. 03/03/69

Frei Valdecir Soares – nascido em 20/10/1978

Capelas:

Nossa Sra. Aparecida

São Benedito

Nossa Senhora de Fátima

Vila Rural

CERTA – Centro de Recuperação

Núcleo Hab. João Paulo I – 180 casas

Santa Mônica


07/01/1956 – Instalação do Município de Nova Londrina/PR, posse dos Vereadores, eleição e posse da Mesa Diretora e Posse do Prefeito Eleito
Ver. José João Budel
Presidente 1956/57

ANO 1956


22/12/1956 a 16/01/1957 - Presidente da Câmara Assume Interinamente o cargo de Prefeito
Primeira Câmara Municipal de
Nova Londrina 1956/1960



 
1ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR - Prefeito Sr. Avelino Antonio Colla - Gestão 07/01/1956 a 06/01/196

Primeiro Prefeito Eleito do Município de Nova Londrina, Noroeste do Estado do Paraná, pelo partido Social Democrático (PSD), com 578 votos, para gestão: 07/01/1956 a 06/01/1960, Prefeito Avelino Antônio Colla - mandato de quatro anos.(Não tinha a figura do Vice-Prefeito).


Vereadores:


Sodalio Cardoso

Julio Antonio de Matos

Ceslau Zielonka

José João Budel

Manoel Martins

Maximiliano Bertasi

Alfio Borghi

Felinto de Souza Freire

Antonio Scandelari
Suplente de vereador que assumiu vaga:
Sebastião do Nascimento Lopes
 
1ª Mesa Diretora do Legislativo Municipal gestão 1956/1957 - Presidente - Ver. José João Budel (PR)
Budel e João Venâncio da Rocha

ANO 1959

Vice-Presidente - Ver. Antonio Scandelario (PSD)


1º Secretário - Ver. Sodalio Cardoso (PR)


2º Secretário - Ver. Maximiliano Bertasi (PSD)
 


ANO 1958

07/02 - Criado o Distrito de Itaúna do Sul

20/06 – Criado o Distrito de Diamante do Norte


Pela lei estadual n.º 3554, de 07-02-1958, é criado o Distrito de Itaúna do Sul (ex-povoado) anexado ao município de Nova Londrina.


Pela lei estadual n.º 3715, de 20-06-1958, é criado o distrito de Diamante do Norte, desmembrado do distrito de Itaúna do Sul e anexado ao município de Nova Londrina.


Mesa Diretora gestão 1958

Presidente - Ver. Sebastião do Nascimento Lopes (PSD)

Vice-Presidente - Ver. José João Budel (PR)

1º Secretário - Ver. Ceslau Zielonka (PR)

2º Secretário - Ver. Antonio Scandelario (PSD)




2ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR - 06/01/1960 a 06/01/1964 - Candidatura Única

2º Prefeito Eleito Sr. João Soares Fragoso (Candidatura Única), pelos partidos coligados: PSD - PTB - PR e UDN, com 1857 votos, para a gestão: 06/01/1960 a 06/01/1964 - - mandato de quatro anos. (Não tinha a figura do Vice-Prefeito).

Vereadores:

Dr. Olivier Grendene

Lauro Garcia do Amaral

Felinto de Souza Freire

Jose Marques de Macedo

João Miranda

Daniel Cardoso dos Santos

Joaquim Prudêncio do Carmo

Ceslau Zielonka

Geraldo Maffei

Ocuparam cargos de Presidentes do Poder Legislativo Municipal de Nova Londrina:

Vereador João Miranda dos Santos - gestão 1960

Vereador Geraldo Maffei - Gestão 1961

Vereador Ceslau Zielonka - Gestão 1962

Vereador José Marques de Macedo - gestão 1963

Principais obras de sua Administração:

- Construção de doze prédios escolares de madeira na zona rural;

- Construção da Praça Romeu Barbosa de Souza;

- Elaboração de projetos globais de galerias para combate à erosão e para a rede de energia Elétrica;

- Construção de fábrica de artefatos de cimento municipal;

- Instalação e funcionamento da agência de correios

- Construção de residências para o Promotor e Juiz de Direito, com recursos da comunidade;

- Aquisição de uma Moto-niveladora e de um trator de esteiras (vindo da Alemanha Ocidental.)

ANO 1961



25/01 - Itaúna do Sul se torna Município



Pela lei estadual n.º 4338, de 25-01-1961, desmembra do município de Nova Londrina o distrito de Itaúna do Sul, elevado à categoria de município.


ITAÚNA DO SUL


Etimologia. Itaúna Origina-se do tupi ‘’itá’’... Pedra + ‘’úna’’... Escura, negra: pedra negra ou escura. (OB). Do - Contração da preposição “de” (posse), com o artigo masculino “o”. Sul Vem do anglo-saxônico “suth”, através do francês “sud”, significando ponto cardeal que se opõe ao norte, designando ainda região situada ao sul. (ABHF).


Origem Histórica - Alguns setores da sociedade paranaense afirmam que “o café fez o Paraná”, e na verdade grande parte dos atuais municípios, que desenham o mapa do Estado, surgiu em função da cultura cafeeira, dentre eles Itaúna do Sul. A Imobiliária Ferreira e Toledo Pizza Ltda., constituída na cidade paulista de Tupã, lançou os fundamentos da povoação itaunense.


A fertilidade do solo e a subdivisão das terras em pequenos lotes fizeram com que se processasse rapidamente a formação do Patrimônio.


Os primeiros moradores do povoado foram José Xavier Chagas, Pedro Martins Plaza, Júlio Ramos e Silva, Sebastião Soares de Lima, Tsuneji Takahashi, André Romão e inúmeras outras famílias que vieram somar ao sonho pioneiro da fundação de uma cidade. Pela Lei n.º 3.554, de 07 de fevereiro de 1958, foi criado o Distrito Administrativo jurisdicionado a Nova Londrina.


A 25 de janeiro de 1961, pela Lei n.º 4.338, foi criado o município de Itaúna do Sul. Foi acrescentado o termo “do Sul” para diferenciá-lo de município homônimo.


ANO 1962



10/11 - Criado o Distrito de Cintr a Pimentel


1962 - Criado o Colégio Estadual Ary João Dresch


29/12/1962 – Nova Londrina foi elevada à condição de Comarca (Lei Estadual nº. 4.667)

Nova Londrina foi elevada à condição de Comarca, pela lei nº. 4.667, de 29 de dezembro de 1962. Sua instalação aconteceu no dia 15 de março de 1964.

Pela lei estadual n.º 4552, de 10-11-1962, é criado o distrito de Cintra Pimentel e anexado no município de Nova Londrina.

 
1962 Criado o Colégio


Ary João Dresch Ensino Médio



DIRETORA Atual - 2009: Elvira Maria Rodrigues Negrine Kühl


DIRETOR AUXILIAR: Edes Leite Cavalcante






Situado na Praça da Matriz, 143 – Fone: (0xx44) 432-1178 – CEP 87970-000 e-mail: nldarydresch@seed.gov.br Nova Londrina – Paraná.






HISTÓRICO






Criado no ano de 1962, com o Decreto n.º6.182/62 com o nome de “Escola Normal Colegial Romeu Barbosa de Souza”.


Em 1966 sob o Decreto n.º3547/66, foi criado o “Colégio Comercial Estadual de Nova Londrina”, funcionando como extensão em vários municípios da região, tais como: Itaúna do Sul, Diamante do Norte e Terra Rica.


Em 1971 passou a denominar-se “Colégio Estadual Ary João Dresch”. A história do colégio vai passando e as denominações e decretos vão se alternando.


Finalmente em 1983, feita a junção de várias escolas de 2º grau junto com o 1º grau, passou a denominar-se “Colégio Estadual Ary João Dresch – Ensino de 1º e 2º grau”.


Em 1990 com a municipalização ficou sendo uma escola de 2º grau, embora funcionando o 1º grau num sistema de parceria com a Prefeitura Municipal até o ano de 1994.


A partir do ano de 1998, passou a denominar-se Colégio Estadual Ary João Dresch – Ensino Médio.


O Nome Ary João Dresch é dado em homenagem à família Dresch, pioneiros de Nova Londrina. Ao longo de sua história o Colégio formou alunos nas habilitações de Magistério, Auxiliar Técnico em Contabilidade, Educação Geral e ainda o Curso Básico em Agropecuária.


No ano letivo de 2005 o Colégio passou a ofertar o Curso 0489 - Formação de Docentes da Educação Infantil e dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental


No ano letivo de 2006, o Colégio foi autorizado a funcionar com o curso 4000 – Ensino Fundamental., recebendo os alunos da 8º série ,originados da E.E. Novo Horizonte – EF., de Nova Londrina A Partir de 2006, o Colégio passou a Chamar-se COLÉGIO ESTADUAL ARY JOÃO DRESCH – EFMN, está situado no centro da cidade na Praça da Matriz n.º 143, tem uma área do terreno de 7.509 m2 e construída de 2263,03 m2 em alvenaria, com uma (01) quadra polivalente.



Diretores: 1962 a 2009



1962 – Eneuvair de Lourdes V. Gonçalves.


1963 – Eloísa Soares.


1964 – Maria Terezinha B. Canhetti.


1965 – Maria Terezinha B. Canhetti.


1966 – Mariza Célia Vita.




1967 – Merle Sulamita Peploeski Oliveira.


1967 a 1977 – Adélio Franzener.


1978 a 1987 – Romilda Neves Streit.


1988 a 1989 – Luiz Valdir Moreira.


1990 a 1999 – Herculano Volpato Araújo.


2000 – Jair São João.


2001 – Djaci Pereira Leal.


2002 a 2003 – Luiz Flávio Ravache.


2004 a 2005 – Djaci Pereira Leal.


2006 a 2008 – Solange Terezinha Garcia Ravache.


2009 a 2011 – Elvira Maria Negrine Külh.



DIRETORA Atual – gestão 2009 a 2011: Elvira Maria Rodrigues Negrine Kühl


DIRETOR AUXILIAR: Edes Leite Cavalcante


Conselho Escolar



Presidente: Elvira Maria Negrine Rodrigues Kühl 3432-2774


Equipe Pedagógica: Shirley Terezinha Roman Guedes


Corpo Docente: Jarmes Venâncio Ramos 3432-2316


Heloise de Cássia Caíres


Equipe Administrativa: Marilza Ruiz Cortez


Eliane Maria Dias Kondo


Agente de Apoio: Beatriz Maria Conte


Irene Xavier da Silva


Corpo Discente: Talita França Marinotti


Danieli Scotta


Pais de Alunos: Elizabete Alves Feitosa


Gislaine Pontes de Barros


Grêmio Estudantil: Fabrício Rafael de Souza Ferreira


Natanaela Ferreira de Oliveira


Comunidade: Suzete Aparecida Borin de Lima


Mauricio Francisco da Silva


Equipe Administrativa



Secretária: Adriana Paula Neves da Silva


Eliane Maria Dias Kondo


Josilene de Souza Coutinho


Marilza Ruiz Cortez


Marlene Aparecida Machado


Mariza Gonçalves da Silva


Bibliotecária: Vera Marta Cardoso Bôer


Câmara Municipal de Nova Londrina - 2009



Equipe de Serviços Gerais



Alice Soares dos Santos


Beatriz Maria Conte


Carlos Adão de Oliveir


Elizabete Alves Feitosa


Erotildes Alves de Oliveira


Irene Xavier da Silva


Jorge Lizzi


Lídia Mieldik da Silva



O conselho de Classe é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa em assuntos didático-pedagógicos, fundamentado no Projeto Político Pedagógico do Colégio, e no regimento escolar, com a responsabilidade de analisar as ações educacionais, indicando alternativas que busquem garantir a efetivação do processo e.


Conselho de Classe constitui-se em um espaço de reflexão pedagógica, onde todos os sujeitos do processo educativo, de forma coletiva, discutem alternativas e propõe ações educativas eficazes que possam vir a sanar necessidades/dificuldades apontadas no processo ensino aprendizagem.


Quem faz parte:


Diretora Elvira Maria Rodrigues Negrine Kühl,


Diretor auxiliar: Edes Leite Cavalcante,




Pedagogos: - Shirlei Terezinha Roman Guedes, Márcia Henares Tranin,


Professores: Célia Soares, Cilene Maldaner Ayres Cavalcante, Cristiane Maria Rocznieski, Djaci Pereira Leal, Ediloson Sebastião Zanini< Edineia Fontana, Elizabete Vanzelli Mantuani, Elizabeth Mazotti, Ellyn Vera de Souza Saraiva, Edes Leite Cavalcante, Enis Moreno Gasques, Everaldo Menegueti, Fernanda Peres Ramos, Francisco Pereira da Silva, Giuliano Alberto Luiz Passoni, Gleyde Pereira Freire, Heloise de Cássia Caíres Werlamg, Iranildes de Assis, Jailson da Silva Prestes, Jarmes Venâncio Ramos, José Aparecido do Nascimento, Luciana Correia Leite, Lucinéia Dias Campos, Luiz Carlos Lavrate, Maria de Fátima Florentino, Maria Roseli Bender Ferreira Romanzine, Neuza Maria de Oliveira, Nilce Rodrigues Neves Rozinski, Oscar Marreta dos Santos, Priscila Tatiana Oliveira Tenório, Regina de Oliveira Guilherme, Roberto Mitisuru Tesunokawa, Salete Maldaner Pecini, Tereza dziendzik da Silva, Valdenir Ferreira Dornelles, Vânia Catarina dos Santos.


Conselho Representante de Turmas


Matutino: Vespertino


1ª A José Aparecido do Nascimento 5ª A Jarmes Venâncio Ramos


1ª B Cilene Maldaner A. Cavalcanti 6ª A Tereza D. Silva


1ª C Fernanda Peres 8ª A Elizabeth Vanzeli Mantuani


1ª D Nilse Rodrigues Neves Rosinski


Formação de Docente


1ª A Djaci Pereira Leal


2ª A Luciana Luchini 2ª A Maria de fátima Florentino


2ª B Valdenir Dorneles/Marcos Boe 3ª A Marcia Tranin


2ª C Everaldo menegueti 4ª A Cláudinéia Aparecida Pilegi


3ª A Terezinha Dorneles


3ª B Giuliano Alberto Possoni


Noturno


1ª E Edilson Sebastião Zanini


1ª F Jailson Prestes


2ª D Heloise de Cássia Caíres Werlang


2ª E Edes Leite Cavalcanti


3ª C Elizabete Nazzotti


3ª D Elizabeth Vanzeli Mantuani


Grêmio Estudantil


O que é – O Grêmio Estudantil é uma organização sem fins lucrativos que representa o interesse dos estudantes e que tem fins cívicos, culturais, educacionais, desportivos e sociais.


O grêmio é o órgão Maximo de representação dos estudantes da escola. Atuando nele, o educando defende seus direitos e interesses, e aprende ética e cidadania na pratica.


Quem faz parte - O grêmio é a organização dos estudantes na escola. Ele é formado apenas por alunos, de forma independente, desenvolvendo atividades culturais e esportivas.


Grêmio Estudantil Professor Herculano Volpato de Araújo- gestão 2008 a 2011


Diretoria constituída do Presidente: Luciana Aparecida Sanches; Vice Presidente: Hernandes Francisco da Silva; Secretário Geral: Patrícia Aparecida Laurentino; 1ª Secretária: Luana Martins; Tesoureiro Geral: Hugo Vitor Porfírio de Lima; 1º Tesoureiro: Gislaine Alves Rodrigues; Diretor Social: Maicon Américo; Diretor de Imprensa: Natália Gonçalves Lopes; Diretor de Esportes: Clayton Dias da Silva Sabóia; Diretor de Cultura: Gerson Gomes da Silva Junior; Diretor de Saúde e Meio Ambiente: Gleiciele Piva Franco; Colaboradores: Lucas Marcolino dos Santos, Brendon Luan Alves de Lima, Nayara Martins Oliveira, Michele Amaro Santos.






Associação de Pais e Mestres e Funcionários – APMF




O que é – Associação de Pais, Mestres e Funcionários, - pessoa jurídica de direito privado, é um órgão de representação dos pais e profissionais do Colégio, não tendo caráter político partidário religioso, racial e nem fins lucrativos, não sendo remunerados os seus Dirigentes e Conselheiros, sendo constituído por prazo indeterminado.


Quem faz parte - A Associação de Pais, Mestres e Funcionários é um órgão formado por membros de toda a comunidade, com atividades sócio-educativas, culturais e desportivas.


Atual Diretoria da APMF - Presidente: José Martins, Secretário: Adriana Paula Neves da Silva, Soleci Varal; Tesoureiro: Josefa Pereira Pequeno, Elizabeth de Jesus Pinto; Diretor Sócio Cultural – Esportivo: Cristiane Maria Rocznieski, Maria Roseli Bender Ferreira Romanzini; Conselho Deliberativo e Fiscal: Professores: Jair São João, Roberto Mitsuro Tsunokawa; Funcionários: Carlos Adão de Oliveira, Josilene Coutinho Ayres; Pais :João Batista de Souza, Jorge Eliseu da Silva, Vanessa Lucia da Costa , Roseli Aparecida Pinotti Martins.



Postado por Prof. Osmar Soares Fernandes às Quarta-feira, Março 03, 2010


ANO 1963





31/07/1963 - Município de Nova Londrina é constituído de Três distritos;



29/11/1963 – o Distrito de Diamante do Norte teve seu território desmembrado de Nova Londrina


Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de três distritos: Nova Londrina, Cintra Pimentel e Marilena.






DIAMANTE DO NORTE



Etimologia. Diamante O termo “Diamante” vem do latim tardio “adamas”... o indomável, ou ainda “daemos”... o tentador, certamente por causa das paixões que a gema tem provocado nas pessoas, em todas as épocas, ao longos dos tempos. (ABHF), do - Contração da preposição “de” (posse), com o artigo masculino “o”. Norte Origina se do anglo-saxônico “north”, com referência ao ponto cardeal que se opõe ao sul, região ou regiões situadas ao norte. (ABHF/PJMS).



Origem Histórica. Por volta de 1949, levado pelo impulso de transformar florestas em núcleos de civilização, chegaram à região do atual município de Diamante do Norte, os primeiros povoadores do lugar.


Os primeiros moradores a se instalarem na localidade, conhecida por Fazenda Macuco, foram: Jon Nicipierenco, irmãos Baldini, Geraldo Aguiar, Joaquim Domingos Filho, Anercilio Dirno Martinelli, Reinaldo Massi e Alonso Carvalho Braga.


A principal motivação dos pioneiros em irem para a região era a certeza do sucesso nas lavouras de café. As terras férteis se tornaram passaporte garantido para o fortalecimento econômico.


A denominação foi dada pelos primeiros povoadores da Fazenda Macuco, em virtude de terem sido encontradas pedras brilhantes no leito do córrego próximo à cidade, as quais lembravam diamantes. O termo do Norte foi acrescentado para diferenciá-lo de município homônimo.



Pela Lei Estadual n.º 3.715, do dia 20 de junho de 1958, o povoado foi elevado à categoria de Distrito Administrativo, e a nível de município através da Lei Estadual n.º 4.788, de 29 de novembro de 1963, com território desmembrado de Nova Londrina. A instalação oficial ocorreu no dia 14 de dezembro de 1964, sendo primeiro prefeito municipal o Sr. João de Souza.



ANO 1964


06/01 - Posse dos Vereadores e Prefeito Eleitos


15/03 - Instalação da Comarca do Município


18/03- Eleito pela Câmara de Vereadores o 1º Vice-Prefeito de Nova Londrina


dual nº. 4.667)



Instalação da Comarca de Nova Londrina, aconteceu no dia 15 de março de 1964



3ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR - 06/01/1964 a 31/01/1969


3º Prefeito Eleito pelo Partido Democrata Cristão - PDC, com 2.604 votos, para a gestão: 06/01/1964 a 31/01/1969 - Prefeito Dr. Olivier Grendene - mandato de 5 anos e 25 dias (Não tinha a figura do Vice-Prefeito).


Nova Londrina foi elevada à condição de Comarca, pela lei nº. 4.667, de 29 de dezembro de 1962. Sua instalação aconteceu no dia 15 de março de 1964


Vereadores:


Ary João Dresch


Otavio de Paoli


Ernesto Mazzotti


João de Souza


Avelino Antonio Colla


Waldemar Lebedenko


Dr. Sauer Salum


Darcy Molin


Mário Pilegi


Suplentes que assumiram:


Dr. Pedro Paulo de Mello


Daniel Cardoso dos Santos


Ocuparam Cargos de Presidentes nessa legislatura:


Vereador Ary João Dresch - gestão 1964/1965


Vereador Ary João Dresch - gestão 1966


Vereador Dr. Sauer Salum - gestão 1967


Vereador Dr. Sauer Salum - gestão 1968


Principais obras de sua administração:


- Urbanização e combate à erosão urbana;


- Pavimentação de 31 mil metros quadrados de ruas, com asfalto, arborização de praças e vias públicas;


- Construção das praças: Praça e Parque Infantil Vicente Moreira e Praça Ary João Dresch;


- Construção de vários prédios públicos:


1 - Grupo Escolar Isolde Andreatta,


2 - Escola Marco De Santi,


3 - Paço Municipal,


4 - Estação rodoviária,


5 - Prédio da Telepar;


- Construção de ponte sobre o Rio Tigre;


- Estrada ligando Nova Londrina a Loanda;


- Instalação de Turbina para geração de Energia elétrica e a construção de três reservatórios de água (AGUANOVA);


- Instalações de serviços e órgãos tais como: Colégio Comercial, Agência do Banco do Brasil, Escritório do IBGE e a Instalação da Comarca de Nova Londrina - sendo este o marco de seu governo.


Organização Judiciária de Nova Londrina, Estado do Paraná, Brasil


Inicialmente sendo Distrito Judiciário pertencente a Paranavaí, Nova Londrina teve esta posição transposta para a Comarca de Loanda, recentemente criada. Aquele fato aconteceu em 08 de maio de 1956.


Posteriormente, Nova Londrina foi elevada à condição de Comarca, pela lei nº. 4.667, de 29 de dezembro de 1962. Sua instalação aconteceu no dia 15 de março de 1964, com a presença do Dr. Edmundo Mercer Junior, Corregedor Geral da Justiça do Estado, além de autoridades locais e da região.


A instalação da Comarca de Nova Londrina dependeu do esforço de todos os nova-londrinenses, pois era exigência do Tribunal de Justiça a construção das residências do Juiz e do Promotor de Justiça, bem como a construção do próprio prédio do Fórum.


Assim sendo, coube ao Prefeito da época, o Sr. João Soares Fragoso realizar tais, solicitações. Como a Prefeitura não tinha recursos financeiros para tanto, o Prefeito com o apoio de líderes e de toda a comunidade, encabeçou a campanha visando obter recursos para aquela finalidade, que foi conseguiu.


Posteriormente, foi construído um novo e moderno Prédio para o Fórum, inaugurado em 20 de janeiro de 1977, era prefeito o Sr. Sady Paviani.


Em 18 de março de 1964, Reuniram-se os Excelentíssimos Senhores Edis, em Sessão Extraordinária, às 20 horas, no Edifício da Câmara de Vereadores de Nova Londrina, finalidade única: Eleição do 1º Vice-Prefeito de Nova Londrina, sob a Presidência do do Ver. Ary João Dresch


A eleição do 1º Vice-Prefeito de Nova Londrina, ocorreu de acordo com a Emenda Constitucional 6/64 da Assembléia Legislativa do Estado do Paraná.


Como na primeira votação para escolha do Vice-Prefeito, nem um candidato alcançou a Maioria Absoluta dos votos (que seriam 5), exigida por lei, houve uma segunda votação trinta minutos após, e o resultado foi o seguinte: O Vereador Darcy Molim obteve 6 votos e o Vereador Avelino A. Cola obteve 3 votos. O Vereador Darcy Molim foi declarado vencedor e se tornou o 1º Vice-Prefeito da história de Nova Londrina (Numa escolha diferente da democracia brasileira, fôra eleito pelo parlamento (Câmara Municipal).


ANO 1967



19 /10/1967 – Distrito de Marilena é desmembrado do Município de Nova Londrina e elevado a categoria de Município



Pela lei estadual n.º 5678, de 19-10-1967, desmembra do município de Nova Londrina o distrito de Marilena. Elevado à categoria de município.


MARILENA


Etimologia. Marilena Termo híbrida, formada pelos nomes “Maria” e “Helena”. O termo “Maria” é nome pessoal feminino, havendo duas possibilidades para sua origem, sendo que ambas vem do hebraico: 1).


“Miriam”, formado por “mar”... Gota, e “yâm”... (Mar: gota de mar. 2) “Myrian”... Designa vidência, e resultou “Maria” em latim e grego. O termo - “Helena” é nome pessoal feminino e origina-se do grego “Heléne”, pelolatim “Helena” com “e” penúltimo breve, interpretado como “resplandecente, brilhante, reluzente”. (AN).



Origem Histórica. Contribuíram decisivamente para o desbravamento da localidade as seguintes pessoas: Henrique Palma que chegou em 1939, Armindo C. Mazzotty, Manoel B. Vieira, Atílio Sangion, Antônio Scandelari, Antônio Adão, João Umbertino, Gentil Scottá, João Gomes, Pedro Jordão e tantos outros.


A colonização da região iniciou-se em 1948, pelas empresas Paranapanema, dirigida por Índio.


Brasileiro Borba e Colonizadora Marilena, dirigida por José Volpato e Abelardo Alcântara. Neste período


Pioneiro a localidade era conhecida por “Feijão Crú”.


Pela Lei N.º13, de 05 de agosto de 1953, foi criado o Distrito Administrativo, com território pertencente ao município de Paranavaí e denominando-se Marilena. O nome dado à localidade foi em homenagem a




Maria Helena Volpato, esposa do Sr. José Volpato, diretor da Empresa Colonizadora Marilena.


Em 19 de outubro de 1967, pela Lei n.º 5.678, foi criado o município de Marilena, com território desmembrado de Nova Londrina. A instalação deu-se a 18 de janeiro de 1969.


ANO 1968


15/11/1968 – Eleições Municipais para Prefeito e Vereadores



ANO 1969


31/01 - Posse dos Vereadores e Prefeito Eleitos


03/5 Assume o cargo de Prefeito, o Vice, Oscar Tomazoni


04/08 - Assume o cargo de Prefeito Interventor - Dr. Sauer Sal


4ª LEGISLATURA – 1969 a 1973 - Halim Maaraoui - prefeito cassado pela ditadura militar


4º prefeito eleito






Aliança Renovadora Nacional (Arena 2)


1.965 votos (mandato – 2 meses e 27 dias) - CASSADO



Vice-Prefeito Oscar Tomazoni. .


Vereadores:


Pela Arena




Moacir Gonçalves Ponce, eleito com 401 votos.


Manoel Bono Rodrigues, eleito com 290 votos.


Ary João Dresch, eleito com 240 votos.


Teiki Tina, eleito com 220 votos.


Sady Paviani, eleito com 181 votos.


Dr. Alonso Canhetti Postigo, eleito com 167 votos.


Licério Moreira da Silva, eleito com 167 votos.


Arthur Ribeiro da Silva, 159 votos.



Pelo MDB



Avelino Antonio Colla (MDB), eleito com 144 votos.


Suplentes que assumiram:



Américo Martins Antonio – Arena, com 136 votos.


Daniel Cardoso dos Santos – Arena, com 113 votos.


Raimundo de Oliveira – Arena, com 100 votos.

 
Ocuparam Cargos de Presidentes da Câmara Municipal de Vereadores durante a gestão da 4ª Legislatura: 31/01/1969 a 31/01/1973:


Presidente Ver. Moacir Gonçalves Ponce - gestão 1969


Presidente Ver. Sady Paviani - gestão 1970


Presidente Ver. Daniel Cardoso dos Santos - gestão 1971


Presidente Ver. Dr. Alonso Canhetti Postigo – 1972



A história da cassação:





Segundo coincidentes relatos de alguns moradores da época das Eleições Municipais, realizadas em 15/11/1968, do Município e Comarca de Nova Londrina/PR, o Candidato a prefeito, Sr. Halim Maaraoui, elegeu-se pela Arena nº. 2, com 1965 votos, com o slogan de campanha: “Um tostão contra um milhão”. Tomou posse e permaneceu no cargo no período de: 31/01/1969 a 27/04/1969. Teve seu mandato cassado pelo Regime Militar, pelo seguinte fato:


“Os adversários inconformados e decepcionados com o resultado desfavorável da Eleição para Prefeito, teriam arquitetados uma manobra para cassá-lo.”


De acordo com os relatos, o que se cogitou pelos seus opositores e levado ao conhecimento da Ditadura Militar, foi o seguinte:


Que, Halim, no “calor” da emoção da vitória, havia desfilado com uma bandeira, supostamente a do Líbano, em passeata comemorativa e a exposição da mesma em seu gabinete, na Prefeitura Municipal.


Relato do Vice-prefeito – Senhor Oscar Tomazoni:


Que constaram no processo de Cassação os seguintes fatos:


1 – O fato da bandeira;


2 – Que, Halim havia criticado o método de ensino do Governo Federal (Ministério da Educação);


3 – Promessas de retirar terras dos proprietários e dá-las para os empregados (empreiteiros);


4 – Incitar a população a não pagar mais impostos Municipal, Estadual e Federal.

 
“OSCAR TOMAZONI ACRESCENTA QUE, SÓ O FATO DA BANDEIRA JÁ CONFIGURAVA EM SUBVERSÃO, ENTRETANTO, OUTRAS INVERDADES ACIMA MENSIONADAS FORAM DENUNCIADAS PARA GARANTIR O PROCESSO DE CASSAÇÃO.”

 
Suspensão de direitos políticos e Cassação de mandato


HALIM MAARAOUI - PREFEITO - NOVA LONDRINA/PR, Sanção: Suspensão de direitos políticos e Cassação de mandato. D.O.U: 30-04-1969, p. 3662.


CÂMARA DOS DEPUTADOS


ATOS INSTITUCIONAIS – Sanções Políticas


Compilado por


Paulo Affonso Martins de Oliveira


Aposentadoria; Banimento; Cassação de Aposentadoria; Cassação de disponibilidade; Cassação de mandato; Confisco de bens Demissão; Destituição de função; Dispensa de Função; Disponibilidade; Exclusão; Exoneração; Reforma; Rescisão de contrato; Suspensão de direitos políticos; Transferência para a Reserva.



Centro de Documentação e Informação


Coordenação de Publicações


Brasília – 2000


Atos institucionais: sanções políticas / compilado por Paulo Affonso Martins de Oliveira. — Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2000. 381 p. — (Documentos de história política; 4)



A P R E S E N T A Ç Ã O



Com a publicação dos Atos Institucionais: sanções políticas, a Câmara dos Deputados leva ao conhecimento público um trabalho de pesquisa, organização e edição que reúne os nomes de mais de 4.800 pessoas atingidas pelo golpe de 1964 e pelos governos do período militar, com a cassação do mandato, suspensão dos direitos, aposentadoria, reforma e banimento.


Trata-se de uma lista dolorosa, cuidadosa e pacientemente organizada pelo então Secretário-Geral da Câmara dos Deputados, Paulo Afonso Martins de Oliveira, que recortava os atos punitivos, um por um, à medida que eram publicados no Diário Oficial da União. Foram centenas, se não milhares, de decretos e medidas editados pelos chefes militares no período de 1964 a 1978, quando o regime implantado e mantido pela força era senhor da vida e do destino dos cidadãos. Cada ato era metodicamente recortado e copiado. Uma cópia ficava com Paulo Afonso e a outra era encaminhada à Biblioteca da Câmara, para ser arquivada.


Ao final de alguns anos, dessa rotina resultou uma relação imensa de nomes. Mais do que nomes, personagens. Alguns políticos nacionalmente conhecidos, professores, intelectuais, gente do melhor gabarito, representantes de partidos e expressivos grupos sociais. Outros cidadãos humildes, desconhecidos. Muitos, integrantes da própria Câmara dos Deputados, excluídos da vida pública e do convívio diário dos funcionários. Temos em mãos, portanto, um verdadeiro glossário da inquisição político-ideológica patrocinada pelo regime.


Todas as pessoas, ao entrarem na lista negra do regime, eram identificadas pela sua atividade profissional ou pela função pública exercida. A primeira leva de punições foi publicada no Diário Oficial de 10 de abril de 1964, anexada ao Ato Institucional que depois seria conhecido como AI-1. Cassou, demitiu e suspendeu os direitos políticos de Abelardo Jurema, ex-ministro da Justiça, do professor Darcy Ribeiro, fundador da Universidade de Brasília, entre outros. Era a primeira ação do novo regime contra os mais importantes auxiliares e colaboradores do Presidente João Goulart, deposto alguns dias antes.


Começou, naquele (10 de abril) de triste memória, um processo de “depuração”, se assim o podemos chamar, que depois se estenderia a outros líderes, governadores, deputados, senadores, funcionários públicos, professores, e que acabaria atingindo, inclusive, os partidários do golpe, num processo autofágico, próprio dos regimes ilegítimos e sem representatividade popular.


Razões de segurança nacional justificavam, então, as punições. Hoje, analisando esse passado recente, constatamos que as cassações políticas promovidas pelo regime militar não trouxeram benefícios ao País. O que houve foi a “eliminação” de lideranças políticas tradicionais e ação preventiva e nefasta contra os líderes emergentes.


O Brasil perdeu. Calou-se o Congresso. A Justiça foi acuada e reduzida. Os partidos foram dizimados, as universidades desfalcadas de importantes quadros. Ninguém, nem mesmo os governantes de então, ganhou com o banimento da vida pública de lideranças que despontavam na vida nacional.


Folheando a publicação, nos vêm recordações, lembranças. Na página 214, o nome do então senador Juscelino Kubitschek de Oliveira, cassado e com os direitos políticos suspensos. Na página 115, por exemplo, a aposentadoria do professor Fernando Henrique Cardoso da Universidade de São Paulo e o banimento do jornalista Fernando Nagle Gabeira. O primeiro atual Presidente da República, e o segundo, hoje deputado, souberam superar as punições, amargaram exílio e retornaram para continuar sua importante contribuição ao futuro do Brasil. Muitos, porém, não conseguiram dar a volta por cima. Ou, como JK, não viveram tempos suficientes para retomar a atividade política. Por trás de cada nome, nessas páginas, há uma história de violência, mortes, revolta, famílias desfeitas, vocações interrompidas, talentos desperdiçados. Anos de atraso, décadas perdidas.


Atos Institucionais: sanções políticas é um documento de pesquisa, ponto de partida para estudos e incursões nos anais da Câmara, onde estão gravados atos de bravura e iniciativas pessoais de muitos deputados que tiveram a coragem de denunciar, de combater o estado de coisas que se implantara no País.


Sem poderes para mudar, para influir nos rumos, para decidir, o Congresso Nacional se resumia à tribuna. Era a voz do povo, contra as injustiças, as perseguições, os excessos de grupos militares que tudo podia, que desconheciam limites éticos, morais, humanos.


Muitos foram atingidos apenas por discursos que fizeram, pela veemência na tribuna. Doutel de Andrade, por exemplo, teve seu mandato de deputado cassado por ter lido na Câmara uma carta que recebera do Ex-presidente João Goulart, seu compadre, em que ele fazia um balanço do seu curto período de governo, ao completar um ano de sua deposição. A imprensa, sob censura na época, não chegou a publicar a carta. Lida da tribuna, ela justificou a cassação. Está lá, nos arquivos da Câmara, para consulta dos que estudam esse período.


A publicação é, assim, uma exaltação à tribuna parlamentar. O quadrilátero da tribuna, o mais democrático espaço da vida nacional, onde a palavra é livre, onde o que vale e o que importa é a representação. Francisco Julião, líder das ligas camponesas, foi cassado por um pronunciamento sobre a situação do campo nos primeiros anos do regime militar. Discurso que não saiu na imprensa, registrado apenas na Voz do Brasil, o noticiário de rádio, parte do Congresso Nacional, onde nem as censuras, nem a autocensura jamais prosperam. Mesmo nos momentos de maior fechamento do regime de arbítrio, os Presidentes da Câmara nunca censuraram e nem permitiram censura à Voz do Brasil. Eram escoimados dos discursos, pela Mesa Diretora, os excessos verbais, os palavrões, mas nunca as críticas, elogios ou denúncias dirigidas aos governos e aos poderosos do dia.


A relação de nomes é uma prova material dos excessos políticos do regime de 1964. Ela não trata daqueles que foram presos, torturados, dos que foram mortos ou desapareceram sem deixar vestígios. Destes crimes, outros textos e outras


publicações já cuidaram. A edição faz chegar ao grande público às provas legais, a confissão pública e institucional da violência. Um testemunho da intolerância, que fica como referencial para a presente e futuras gerações de brasileiros.


Michel Temer


Presidente da Câmara dos Deputados


(Dentre os citados na Lista dos mais de 4.800 nomes de pessoas do bem, hoje reconhecidamente como os heróis do Brasil - injustiçados e perseguidos pela Ditadura Militar, AI-5 - consta o nome de Halim Maaraoui, Prefeito de Nova Londrina/PR Sanção: Suspensão de direitos políticos e cassação de mandato. D.O.U.: 30-04-1969, p. 3662).


O Ato Institucional Número Um, ou AI-1


O Ato Institucional Número Um, ou AI-1, ou somente Ato Institucional, seu nome original sem numeração por supor-se que se trataria do único, foi baixado em 9 de abril de 1964, pela junta militar composta pelos militares: general do exército Artur da Costa e Silva, tenente-brigadeiro Francisco de Assis Correia de Melo e vice-almirante Augusto Hamann Rademaker Grünewald, que subscreveram o ato.


Redigido pelo ministro da justiça Luís Antônio da Gama e Silva em 13 de dezembro de 1968, o ato veio em represália à decisão da Câmara dos Deputados, que se negara a conceder licença para que o deputado Márcio Moreira Alves fosse processado por um discurso onde questionava até quando o Exército abrigaria torturadores ("Quando não será o Exército um valhacouto de torturadores?"[2]) e pedindo ao povo brasileiro que boicotasse as festividades do dia 7 de setembro.


O Ato Institucional Número Cinco, ou AI-5,


Mas o decreto também vinha na esteira de ações e declarações pelas quais a classe política fortaleceu a chamada linha dura do regime militar. O Ato Institucional Número Cinco, ou AI-5, foi o instrumento que deu ao regime poderes absolutos e cuja primeira conseqüência foi o fechamento do Congresso Nacional por quase um ano.


Pelo artigo 2º do AI-5, o Presidente da República podia decretar o recesso do Congresso Nacional, das Assembléias Legislativas e das Câmaras de Vereadores, que só voltariam a funcionar quando o Presidente os convocasse. Durante o recesso, o Poder Executivo federal , estadual ou municipal, cumpriria as funções do Legislativo correspondente. Ademais, o Poder Judiciário também se subordinava ao Executivo, pois os atos praticados de acordo com o AI-5 e seus Atos Complementares excluiam-se de qualquer apreciação judicial (artigo 11).


O Presidente da República podia decretar a intervenção nos Estados e Municípios, "sem as limitações previstas na Constituição" (art. 3º).


Conforme o artigo 4°, o Presidente da República, ouvido o Conselho de Segurança Nacional, e "sem as limitações previstas na Constituição", podia suspender os direitos políticos de quaisquer cidadãos por 10 anos e cassar mandatos eletivos federais, estaduais e municipais.[3] Pelo artigo 5°, a suspensão dos direitos políticos, significava:


I - cessação de privilégio de foro por prerrogativa de função; K


II - suspensão do direito de votar e ser votado nas eleições sindicais;


III - proibição de atividades ou manifestação sobre assunto de natureza política;


IV - aplicação, pelo Ministério da Justiça, independentemente de apreciação pelo Poder Judiciário, das seguintes medidas:


a) liberdade vigiada;


b) proibição de freqüentar determinados lugares;


c) domicílio determinado.


Ademais "outras restrições ou proibições ao exercício de quaisquer outros direitos públicos ou privados" poderiam ser estabelecidas à discrição do Executivo.


O Presidente da República podia também, conforme o artigo 8º, decretar o confisco de bens em decorrência de enriquecimento ilícito no exercício de cargo ou função pública, após a devida investigação - com cláusula de restituição se provada a legitimidade da aquisição dos bens.[4]


O artigo 10 suspendia a garantia de habeas corpus, nos casos de crimes políticos, contra a segurança nacional, a ordem econômica e social e a economia popular.


Durante a vigência do AI-5, também recrudesceu a censura. A censura prévia se estendia à imprensa, à música, ao teatro e ao cinema.


GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº. 2.233, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2002


O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 10 da Lei Nº. 10.599, de13 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 14 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento


proferido pela Primeira Câmara da Comissão de Anistia, na sessão realizada no dia 22 de novembro de 2002, no Requerimento de Anistia n.º. 2002.01.10599, resolve: Declarar HALIM MAARAOUI ANISTIADO POLÍTICO, concedendo-lhe reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação única, no valor correspondente a 330 (trezentos e trinta) salários mínimos, equivalente nesta data, R$ - 66.000,00 (Sessenta e Seis Mil Reais), nos termos do artigo 1º. - inciso I e II, da Medida Provisória nº. 66, de 28 de agosto de 2002.


PAULO DE TARSO RAMOS RIBEIRO


Fonte: DOU - DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO - Seção 1 16/12/2002 pagina 92


(Este não substitui o publicado no D.O.U)


Prefeito - Sr. Oscar Tomazoni, gestão - 03/05/1969 a 04/08/1969



4ª Legislatura - Vice-Prefeito Oscar Tomazoni - Assumiu mandato em caráter provisório - Motivo: Cassação do Prefeito Halim Maaraoui.



 
Era o presidente da Câmara Municipal de Vereadores:


Ver. Moacyr Gonçalves Ponce - gestão 1969


4ª Legislatura - Interventor Federal - Prefeito Dr. Sauer Salum


Assumiu o Cargo de Prefeito Dr. Sauer Salum, Gestão 04/08/1969 a 31/01/1971


Mandato - 1 ano e cinco meses


Ocuparam a presidência do Poder Legislativo Municipal nessa gestão:


Vereador Moacyr Gonçalves Ponce - gestão 1969


Vereador Sady Paviani - gestão 1970


Obras de destaque de sua administração:


- Construção das escolas Ary João Dresch, Rodolfo Ravache e algumas na zona rural;


- Implantou 3 mil metros de galerias para combate à erosão;


- Melhorou o serviço de água, reperfurando os dois poços existentes;

 
- Construiu a ponte na estrada Nova Londrina/Paranavaí em convênio com o DER;


- Adquiriu para o Município a área onde hoje é o pátio de máquinas e fez toda a terraplanagem do local.


ANO 1970



15/11/1970 - Eleição somente para Prefeito e Vice-Prefeito


ANOS 1971 a 1973


31/01 - Posse do Prefeito e Vice-Prefeito eleitos


4ª Legislatura - Prefeito e Vice-Prefeito Eleitos para gestão de 31/01/1971 a 31/01/1973


Miguel de Oliveira Caires - 5º prefeito eleito de Nova Londrina-PR -


5º Prefeito Eleito pela Aliança Renovadora Nacional - Arena 02, - com 1.662 votos, para terminar a 4ª Legislatura, gestão: 31/01/1971 a 31/01/1973 -


Prefeito - Sr. Miguel de Oliveira Caires, Vice-Prefeito - Sr. José de Oliveira Caires (irmãos) - Mandato - 2 anos


Ocuparam a presidência da Câmara Municipal durante essa gestão:


Vereador Daniel Cardoso dos Santos - gestão 1971


Vereador Dr. Alonso Canhetti Postigo - gestão 1972






Principais Obras de sua Administração:






- Construiu o Grupo Escolar Bento Mossurunga, no Distrito de Cintra Pimentel;


- Construiu a Biblioteca Pública Municipal Alípio Ayres de Carvalho;



- Assinou convênio com a Copel, etc.


5ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DA CIDADE DE NOVA LONDRINA/PR - 31/01/1973 a 31/01/1977 - Candidatura Única - Prefeito Sady Paviani





6º Prefeito Eleito pelo Partido - Aliança Renovadora Nacional - Arena, com 2.175 votos, para a gestão: 31/01/1973 a 31/01/1977 - Prefeito - Sr. Sady Paviani, Vice-Prefeito - Sr. Edmir James Kuhl



- mandato de 4 anos



5ª Legislatura: 31/01/1973 a 31/01/1977



Presidentes:



Ver. Prof. José Euclides Gimenez - gestão 1973/1974


Ver. João Celestino Pires - gestão 1975/1976


Vereadores:



Antônio Romão da Silva;


Geraldo Sellegrini;


João Celestino Pires;


João Fernandes de Almeida;


José Barbosa;


José Euclydes Gimenez;


Manoel Bono Belascuzas


Pedro Alci Simão;


Darcy Bertasi.


Nesta Legislatura, ocuparam cargos: José Euclydes Gimenez e João Celestino Pires (Presidência); João Celestino Pires e Pedro Alci Simão (Vice-Presidência); Manoel Bono Belascuzas e Darcy Bertasi (1.ª Secretaria) e José Barbosa e João Fernandes de Almeida (2.ª Secretaria). Era prefeito: Sr. Sady Paviani.



Principais Obras de seu mandato



- Instalação do SAMDE (Serviço Autônomo Municipal de Desenvolvimento de Nova Londrina, através do qual desenvolveu muitas obras de combate à erosão e pavimentação asfáltica em 60 mil metros quadrados de ruas;



- Construção do Pátio Municipal;

- Ampliação e reativação da fábrica de artefatos de cimento;

- Transferência de serviços para a SANEPAR;

- Extensão das redes de energia elétrica e água potável;

- Ampliação dos serviços da Telepar;

Construção da Praça da Matriz;

- Aquisição e instalação da Torre Repetidora de TV;

- Construção do prédio para a Delegacia e Cadeia Pública;

- Ampliação e construção de Muro do Estádio Municipal João Venâncio da rocha;

- Construção do Prédio do Fórum.

 
6ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR - 31/01/1977 a 31/01/1983



7º Prefeito Eleito pelo Partido - Aliança Renovadora Nacional - Arena 1, com 1.811 votos, para a gestão: 31/01/1977 a 31/01/1983 -


Prefeito - Dr. João de Alencar Barbosa, Vice-Prefeito - Sr. Arnaldo Augusto







- mandato de 6 anos

Presidentes do Legislativo nessa gestão:



Ver. Prof. Manoel Bono Belascuzas - gestão 1977/1978


Ver. Arlindo Adelino Troian - gestões 1979/1980 e 1981/1982


Vereadores:


Osni Garcia;


Arlindo Adelino Troian;


Manoel Bono Belascuzas;


Francisco Carlos Antônio;


Gessé da Silva;


Ivanira de Lima Vale Bianchi;


João Celestino Pires


Armando Chiamulera;


Luiz Ravache.



Ver. João Fernandes de Almeida (1.º Suplente – Arena).



Ver. João Fernandes de Almeida, foi eleito 1º Suplente de Vereador (Arena), assumiu definitivamente o mandato de 1980 a 1983, por motivo de renúncia do Vereador Gessé da Silva.





Principais Obras de Sua administração:



- Implantação do Telefone Público no Distrito de Cintra Pimentel;


- Abertura da estrada Nova Londrina/Rosana-SP;



- Construção de 7 mil metros de galerias para águas pluviais;


- Construção da Praça dos Pioneiros;


- Construções de estacionamentos centrais na Avenida Londrina;


- Implantação de mais de 96 mil metros quadrados de pavimentação asfáltica e obras complementares como meio fio e sarjetas;



- Construção da quadra de esportes na Escola Normal;



- Construção de arquibancadas, alambrados, e cabine de rádio no Estádio Municipal;



- Construção do Ginásio de Esportes;



- Instalação da Caixa Econômica Federal;



- Instalação da Ciretran;


- Construção do prédio da Agência de Rendas;

 
- Construção do prédio da Câmara Municipal de Vereadores;



- Implantação do Conjunto Habitacional João Paulo II (180 cas

 
O vendaval que assolou Nova Londrina em abril de 1981


Vendaval que se abateu em Nova Londrina em 27 de abril de 1981, durando pouco mais de um minuto, tempo suficiente para fazer um grande estrago na cidade, uma catástrofe. Felizmente houve somente danos materiais. Qual fênix a cidade se reergueu graças ao seu povo aguerrido, religioso... A ajuda de milhares de brasileiros e o apoio inconteste dos governos Municipal, Estadual e Federal, foram de grande valia para pôr novamente a cidade de pé.



7ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR - 01/02/1983 a 01/01/1989



8º Prefeito Eleito, pelo Partido PDS, com 2.955 votos, para a gestão: 01/02/1983 a 01/01/1989 -


Prefeito - Sr. Arlindo Adelino Troian, Vice-Prefeito - Sr. João Soares Fragoso -


Mandato de 6 anos


Legislatura: 01/02/1983 a 01/01/1989



Presidentes do Poder Legislativo Municipal:



Ver. João Celestino Pires - biênio 1983/1984


Ver. Arnaldo Augusto - biênio 1985/1986


Ver. Idreno Gregório - biênio 1987/1988



Vereadores:



Arnaldo Augusto,


Idreno Gregório,


João Celestino Pires,


João Fernandes de Almeida,


Manoel Bono Belascuzas,


Valdelírio Siqueira Pimentel (Lilo), (PDS);


Armando Chiamulera,


Carlos Alberto Bender,


Luiz Flávio Ravache, (PMDB).



Ocuparam cargos: João Celestino Pires e Arnaldo Augusto (Presidência); Manoel Bono Belascuzas e Idreno Gregório (vice-presidência); Idreno Gregório e Luiz Flávio Ravache (1.ª Secretaria); Carlos Alberto Bender e Manoel Bono Belascuzas (2.ª Secretaria).



Diretor da Secretaria da Câmara - Sr. Araki Morimatsu



Secretário Administrativos e Assesorias:



Secretaria Administrativa - Sr. Tarcísio Hilman;


Secretaria de Fazenda - Sr. João Soares Fragoso;


Secretaria de Obras, Viação e Serviços Urbanos - Sr. Nelson Batistello;


Departamento de Educação, Cultura e Esportes - Professoras: Shirlei Terezinha Roman Guedes; Ana Spinardi e Maria Rosa Pires.


Departamento de Saúde e Bem-Estar Soacial - Shirlei Terezinha Roman Guedes;


Assessoria Jurídica - Dr. José Lopes Pires;


Assessoria Contábil - Silvana do Carmo Lima



Em 1986 Nova Londrina tinha 13.585 habitantes, sendo 10.994 na área urbana.


Eleitores no Município 7.778;



Área do Município 275.348 Km2


Área urbana 3,73 Km2



1.995 Edificações Urbanas: incluindo Comércio, Indústria e residências;



Extensão das Estradas Municipais - 150 km;



Principais obras de sua administração:



- Construção do prédio para sede do 2º Pelotão da 2ª Cia. Policial Militar do 8º Batalhão ;


- Prédio da Ciretran;


- 45 mil metros quadrados de pavimentação asfáltica;


- Instalação do Consultório Odontológico Municipal;


- Implantação da Escola da APAE;


- Usina para produção de leite e farinha de soja (Vaca Mecânica);


- Instalação do Parque de Leilões - entregue a Sornova (Sociedade Rural de Nova Londrina);


- Construção de Vestiários e Sanitários no Estádio Municipal João Venâncio da Rocha;


- Construção do Muro do Cemitério Municipal - frente e um dos lados;


- Instalação da repetidora da TV Bandeirante;


- Manutenção dos Serviços de Corpo de Bombeiros;


- Manutenção de convênios do Serviço Militar, INCRA, Acarpa, Expedição de Carteiras Profissionais;


- Instalação da patrulha mecanizada.



8ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR 01/01/1989 a 31/12/1992 - Candidatura Única para Prefeito



9º Prefeito Eleito, pelo Partido PMDB, com 3.990 votos, para a gestão: 01/01/1989 a 31/12/1992 


Prefeito - Sr. Idreno Gregório, Vice-Prefeito- Sr. Carlos Alberto Bender 



mandato de 4 ANOS



O Prefeito Eleito - Sr. Idreno Gregório, recebeu seu diploma das mãos do Juóz Eleitoral - Bel. Walter Parzewski



Exerceram a presidência da Câmara nesse mandato:



Ver.Ivan Gouveia - 1989/1990


Ver. João Fernandes de Almeida - 1991/1992


Vereadores:



Ivan Gouveia - PFL;



Ademir Luiz Rosinski - PMDB - (suplente que assumiu)



Wilson de Abreu - PMDB;



João de Oliveira - PTB;



Arnaldo Augusto - PFL;



Euclides Kerntopf - PMDB;



João Fernandes de Almeida - PFL;



Manoel Bono Belascuzas - PFL;



Valdelírio Siqueira Pimentel - PFL



(Vereador: Nelson Batistelli (Baco), foi mais votado candidato a vereador nessa eleição com 567 votos pelo partido PTB - renunciou ao mandato; Assumiu o Suplente de Vereador o Sr. Ademir Luiz Rosinski - PMDB).



Secretário do Serviço Legislativo: Pedro Alci Simão.



O Vereador João Fernandes de Almeida (PFL) foi integrante da Comissão de Sistematização como Relator Presidente da Lei Orgânica do Município de Nova Londrina em 1990 e Presidente da Câmara de Vereadores na gestão: 1991/1992.



9ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR - 01/01/1993 a 31/12/1996



10º Prefeito Eleito pelo Partido - PST, com 4084 votos, para a gestão: 01/01/1993 a 31/12/1996 - Prefeito - Sr. Waldir José Troian, Vice-Prefeito - Dr. Ivan Gouveia - mandato de 4 anos



Ocuparam cargos de Presidentes do Poder Legislativo nesse mandato:



- Ver. Osmar Antonio Moreira - gestão 1993/1994



- Ver. Carlos Alberto Trindade - gestão 1995/1996




Vereadores:



Vereador PST CLAUDIO MANTUANI


Vereador PFL CARLOS ALBERTO TRINDADE


Vereador PTB MARIO PILEGI JUNIOR


Vereador PST OSMAR ANTONIO MOREIRA


Vereador PDT IVAN CHIAMULERA


Vereador PL VALDELIRIO SIQUEIRA PIMENTEL


Vereador PMDB LAERTE LOPES PEREZ


Vereador PMDB MARIA LUIZA DOS SANTOS BENDER


Vereador PDT ADEMIR LUIZ ROSINSKI




10ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR - 01/01/1997 a 31/12/2000



11º Prefeito Eleito pelo Partido - PDT, com 2.630 votos, para a gestão: 01/01/1997 a 31/12/2000 - Prefeito - Sr. João Fernandes de Almeida- PDT, Vice-Prefeito - Prof. Manoel Bono Belascuzas - PFL - mandato de 4 anos






Venceu as eleições com 14 votos de diferença!


"Ùltimo Prefeito Eleito do 2º Milênio."

 
O Prefeito João Fernandes de Almeida faleceu em 29/07/2000 (no exercício do mandato) - governando o Município por 3 anos, seis meses e vinte e nove dias.





O Poder Legislativo Municipal, gestão: 1997 a 2000


Presidentes da Câmara nessa legislatura:


Ver. Mário Pilegi Júnior - gestão 1997/1998


Ver. Valdelírio Siqueira Pimentel (Lilo) - gestão 1999/2000





Vereadores:



Valdelírio Siqueira Pimentel (Lilo)


Valentim Amorilo São João - Kimba;


Sílvio Sebastião Dias;


Mairton Piva;


Mário Pilegi Júnior


Prof. Herculano Volpato;


Cláudio Mantuani;


Aguinaldo Fernandes (Sobrinho do prefeito)


Ver.ª Jane Zilio


Gestão - 1997 a 2000


Repertório Biográfico:


Prefeito - João Fernandes de Almeida


Profissão: Produtor Rural – Aposentado.


Escolaridade: Curso antigo de Admissão (básico); Autodidata em ciências política.


Nascimento:19 de fevereiro de 1934, segunda-feira, Iara/CE; signo – aquário.


Falecimento: 29 de julho de 2000, (sábado), na cidade de Nova Londrina, Estado do Paraná/Brasil.


Filiação: José Fernandes de Almeida e Josefa Francisca da Conceição.


Cônjuge: Lêda Soares de Almeida.


Filhos: Wilson, Osmar, Marli, Marlene, Marley e Marcesley.


Mandatos Eletivos: Vereador no Município de Nova Londrina/PR – gestões: 31/01/1973 a 31/01/1977; 31/01/1977 a 31/01/1983; 31/01/1983 a 31/01/1989; 31/01/1989 a 31/01/1993; Prefeito do Município de Nova Londrina, Estado do Paraná, gestão: 01/01/1997 a 29/07/ 2000 (faleceu dia 29 de julho de 2000, as 4:00 horas. da manhã, dormindo em sua residência.)


Suplência e Efetivação: Mandato de: 1977 a 1983 - 1º Suplente de Vereador; assumiu por motivo de renúncia do vereador Gessé da Silva, exercendo a gestão de: 1980 a 1983.


Filiações Partidárias: Arena; PDS; PFL; PRN e PDT.


Atividades Partidárias: Presidente do PRN, 1992; PDT, 1996; Constituinte, 1990, Lei Orgânica do Município de Nova Londrina/PR


Cargos Públicos: Prefeito Municipal de Nova Londrina/PR 1997 a 2000; Presidente do Poder Legislativo Municipal 01/01/1991 a 31/01/1993 – Nova Londrina/PR; 2º Secretário, 1976/1977 – Câmara Municipal de Vereadores de Nova Londrina/PR


Atividades Parlamentares na Câmara de Vereadores de Nova Londrina/PR: Autor do projeto para a construção da Rodoviária situada na Vila Andradina; “Constituinte” 1990; foi integrante da Comissão de Sistematização como Relator Presidente, nas Comissões Temáticas como Relator – da Lei Orgânica do Município de Nova Londrina em 1990. (...).



Obs.: A Avenida Jacarezinho da cidade de Nova Londrina, passou a se chamar Av. Prefeito João Fernandes de Almeida, em sua homenagem, 2007.


Principais obras de sua Gestão:


Asfalto do Bairro Buracão;


Asfalto em algumas ruas da Vila Fumaça;


Asfalto da Vila Andradina;


Asfalto Quadra Amarela;


Posto de Saúde 24 horas;


07 a 11 de fev./1997 – Criação do 1.º carnaval de Rua de Nova Londrina/PR;


Manutenção e Ampliação de Galerias de águas pluviais do Município;


Asfalto até o seminário rumo à Sangra Seca;


Iluminação Pública do Cemitério Municipal;


Capela Mortuária - projeto e liberação de verbas de sua gestão;


Compra de Equipamentos Hospitalares e Reestruturação do Centro Odontológico e do Posto de Saúde Municipal;


Aquisição de um Ônibus para Educação com recursos próprios do Município;


Término e Manutenção da Vila Rural Itio Kondo;


Implantação do Posto de fiscalização Municipal;


Assinou junto ao Governo do Estadual do Paraná documento que determinou que a Praça de Pedágio realize manutenção do asfalto da Rodovia de Paranavaí à cidade de Nova Londrina.


Reestruturou a frota de maquinários, equipamentos e veículos;


Compra de novos veículos e patrolas;


Aquisição da Casa do Menor para o Conselho tutelar.


O prefeito João Fernandes de Almeida reconquistou a credibilidade social, política e financeira do Município. (Esse foi sem dúvida, o seu maior legado).


Secretários do Município


Chefe de Gabinete: Prof. Osmar Soares Fernandes;


Secretaria da Administração: Arnaldo Augusto;


Secretaria da Ação Social: Lêda Soares de Almeida;


Secretaria da Agricultura e do meio ambiente: Dr. Vander Luiz de Mello;


Secretaria de Obras: Roberto L. Haddad;


Secretaria da Educação: Profª. Cristina Alves Pinto;


Secretaria da Saúde: Dr. João de Alencar Barbosa;


Assessor Jurídico: Dr. Alaor Alves Pinto (falecido);


Chefe do Núcleo Regional da Educação: Prof. Manoel Bono Belascuzas;


Geografia e Estatística do Município: Dr. Ivan Chiamullera (falecido).


Líder do Prefeito na Câmara: Ver. Valentim Amorilo São João - Kimba.


Motorista do Prefeito: Ítalo Piva (Talinho – in-memoriam – falecido em novembro de 2007).



29/07/2000 - Morre o prefeito João Fernandes de Almeida (Assume a Prefeitura o Vice-Prefeito)


Prefeito Manoel Bono Belascuzas gestão 31/07/2000 a 31/12/2000 - mandato de 5 meses e um dia


Principais Obras de sua Administração:


- Construção da Capela Mortuária (Em frente do Cemitério Municipal);


- Construção do Portal de entrada para Nova Londrina (Local - Saída para Loanda)


Era o presidente da Câmara Municipal de Vereadores:


Ver. Valdelírio Siqueira Pimentel (Lilo)


gestão - 1999/2000


11ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR - 01/01/2001 a 31/12/2004


12º Prefeito Eleito pelo Partido - PMDB, com 4.976, para a gestão: 01/01/2001 a 31/12/2004 -


Prefeito - Sr. Arlindo Adelino Troian - PMDB e o Vice-Prefeito - Sr. Umberto Bussadori - PSDB - mandato de 4 anos


Presidentes da Câmara de Vereadores nesse período:


Vereador Idreno Gregório - gestão 2001/2002


Vereador Valdir José Veit - gestão 2003/2004






Vereadores:






-ALVARO LUIZ GUILHERME


-VALDIR JOSE VEIT


-IDRENO GREGORIO


-VALDIR JOAO ROSINSKI


-SILVINO PEDRO ROMAN


-PAULO CESAR FRANCISCHETTI


-VALDELIRIO SIQUEIRA PIMENTEL


- DEVANIR AOARECIDO DE SANTI (DEVA)


-WINYCIUS EDGAR ROSA


12ª LEGISLATURA DO MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA/PR - 01/01/2005 a 31/12/2008





13º Prefeito Eleito pelo Partido - PMDB, com 3.957, para a gestão: 01/01/2005 a 31/12/2008 - Prefeito - Sr. Arlindo Adelino Troian - PMDB e Vice-Prefeito - Sr. Umberto Bussadori - PSDB - mandato de 4 anos



Presidentes da Câmara de Vereadores nesse período:



Vereador Álvaro Luiz Guilherme, gestão 2005/2006


Vereador Idreno Gregório, gestão 2007/2008



Vereadores:



Vereador PP VALDIR JOÃO ROSINSKI


Vereador PTB MÁRIO SÉRGIO SONSIM


Vereador PMDB JANE REGINA ZILIO


Vereador PTB NELSON DA COSTA


Vereador PMDB ADRIANO NIEHUES


Vereador PT ROBERTO MITSURU TSUNOKAWA


Vereador PPS RAIMUNDO XAVIER DOS SANTOS


Vereador PSDB IDRENO GREGÓRIO


Vereador PDT ALVARO LUIZ GUILHERME



Inauguração da Clinica da Mulher valor R$ 250.000,00


No dia 14 de Junho de 2008, Nova Londrina teve a honra de receber o Deputado Federal Hermes Parcianello (Frangão) , para inauguração de 03 Obras que foram executadas pelo governo municipal, sendo uma delas a Unidade de Saúde (Clinica da Mulher valor R$ 250.000,00).


Inauguração da Quadra do Clube Irmão casula, valor total de R$.71.000,00.


Inauguração da Academia da Terceira Idade na praça Romeu Barbosa de Souza.


Ele também fez abertura da Pedra Fundamental, onde será construída uma Creche com 250m² no valor de R$ 950.000,00. Ao lado do Clube Irmão Caçula.





13ª LEGISLATURA DO MUNICÍPO DE NOVA LONDRINA/PR - 01/01/2009 a 31/12/2012

 
14º Prefeito Eleito - Sr. Dorneli José Chiodelli - DEM - com 3.598 votos; (4 anos de mandato). Vice-Prefeito - Sr. Miguel Rubens Tranin (Mike -PPS). Coligação - UM NOVO TEMPO - para gestão: 01/01/2009 a 31/12/2012.


Partidos Coiligados: PSB - PDT - PPS (Coligação - Nova Londrina Amanhã). DEM e PTB (Coligação - Nova Londrina Futura)



Mesa Diretora do Poder Legislativo


gestão 2009/2010



Ver. Nelson da Costa (Nelson da Gráfica) - PTB


Presidente





Ver. Mário Sérgio Sonsim - PDT


1º Vice-Presidente



Ver. Raimundo Xavier dos Santos - PPS


2º Vice-Presidente



Ver. Otávio Henrique Grendene Bono (Vico) - DEM


1º Secretário



Ver. Tiago Oliveira de Sousa - DEM


2º Secretário



Verª. Albertina José da Rosa (Roberta da Copagra) - PDT


3ª Secretária



João Carlos Benedito - PSDB


Vereador



Cláudio Mantuani - PSDB


Vereador



Avaro Luiz Guilherme - PSDB


Vereador



Referências



Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)


Estimativas de População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)


Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000).


Revista "Nova Londrina 30 anos”. Editor Euclides Bogoni. Edição: Jornal "Diário do Noroeste". Paranavaí/PR, para a Prefeitura Municipal de Nova Londrina – 1986;


Revista 1983/1988 – NOVA LONDRINA - Administração Prefeito Arlindo Adelino Troian “UNIÃO, A GRANDE FORÇA!”.


Secretaria de Estado da Cultura - Paraná da Gente - Rua Ébano Pereira, 240 - Centro - Curitiba - Paraná - Brasil - 80410-903 - Telefone: 41 3321-4700 - Fax: 41 3321- 4708.


IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social – Caderno Estatístico – Município de Nova Londrina, /PR, Fevereiro de 2010.


Câmara Municipal de Nova Londrina, Avenida Itio Kondo, 904, centro, CEP 87.970-000, caixa postal 141, Nova Londrina/PR E-mail: câmaradenovalondrina@ig.com.br; E-mail: câmara@c_novalondrina.pr.gov.br;


Arquivo Público do Paraná – Cópia Autenticada da Lei nº. 253-54, publicada em 02 de dezembro de 1954, que criou o Município de Nova Londrina-PR.


PRODEINOR – Programa de Desenvolvimento Integrado do Noroeste Paranaense – Convênio: Prefeitura Municipal de Nova Londrina e Fundação Universidade de Maringá – Adm. Prefeito Idreno Gregório


Forças Vivas da Nação – NOSSOS POLÍTICOS – Paraná – 1974.


Forças Vivas da Nação – NOSSOS POLÍTICOS – Paraná – 1978.


Revista SENAP - Órgão Oficial da Sociedade Nacional de Opinião Pública, Curitiba – agosto de 1982.



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons, Osmar Soares Fernandes, Código do texto: T196989 - Você não pode copiar, nem distribuir, nem exibir, nem executar, somente com autorização expressa do autor - Prof. Osmar Soares Fernandes ). Você não pode fazer uso comercial desta obra.


Nova Londrina. Estado do Paraná - 60 Anos de História 1955 a 2010 - Criado pela Lei Estadual nº 253-54, § 5º, de 26 de novembro de 1954



"Rainha do Noroeste"



Município Nova Londrina


Unidade federativa PR (18 )


Estado Paraná


Cep Inicial 87970000


Cep Final 87970000


Latitude -22,7500


Longitude -52,9800


Altitude 400


Area KM² 269,6


Codigo Correios 6368


Codigo IBGE 17107


População: Censo Demográfico IBGE


1996


Masc 1996


Fem 1996


Total 2007


Total %


Variação


6601 6662 13263 12619 -4,86%


Brasão Bandeira


Hino


Aniversário 15 de Março


Fundação 1956


Gentílico nova-londrinense


Lema


Prefeito(a) Dornelis José Chiodelli (DEM)


(2009 – 2012)


Localização






22° 45' 57" S 52° 59' 06" O22° 45' 57" S 52° 59' 06" O


Unidade federativa Paraná


Mesorregião Noroeste Paranaense IBGE/2008 [1]


Microrregião Paranavaí IBGE/2008 [1]


Região metropolitana


Municípios limítrofes Diamante do Norte, Itaúna do Sul, Marilena, Loanda, Guairaçá e estado de São Paulo.


Distância até a capital 575km km


Características geográficas


Área 269,389 km²


População 12.898 hab. est. IBGE/2009 [2]


Densidade 49,7 hab./km²


Altitude m


Clima SubTropical Cfa


Fuso horário UTC-3


Indicadores


IDH 0,762 médio PNUD/2000 [4]


PIB R$ 114.491 IBGE/2005 [3]


PIB per capita R$ 8.566,00 _pib_per_capita = IBGE/2005 [3] {{{data_pib_per_capita}}}


Nova Londrina é um município brasileiro do estado do Paraná. Faz fronteira com os municípios de Diamante do Norte, Itaúna do Sul, Marilena, Loanda, Guairaçá e com o estado de São Paulo. População estimada em 12.933 habitantes em 2008.



Plantação de café 1955


O nome Nova Londrina adveio porque os proprietários da colonizadora (Armando Valentin Chiamulera e Silvestre Dresch) eram da cidade de Londrina. O loteamento e a colonização esteve a cargo da Companhia Imobiliária Nova Londrina.


Os primeiros moradores começaram a chegar em 1951. Palmira Eringer Hoste, conhecida como “Maria Mulata”, é considerada como a primeira moradora da cidade.


Entrada principal da cidade


Rio Paranapanema Fronteira dos estados de S. Paulo e Paraná

 
Lei que criou o Município - Veja o parágrafo quinto (§ 5º)


Hino do Município






Letra por Vera Vargas


Melodia por Sebastião Lima






Donde surgiste terra adorada,


De cujo amigo um lindo poema


Da selva e pesca tem terra amada


Como o Rio Paranapanema;



O Rio Tigre, qual sentinela;


Do teu passado e do teu porvir!


És testemunha da história bela;


Que seu nome fez assim pungir.

 
Amor e esperança, coragem e ação;


Arrojo e segurança são marcas do teu chão;


Teu rubro sobre o seio, traçado com ardor;


Ao sangue do pioneiro, e a mão do criador.


Quanta beleza por estas matas;


Ao som que seja o rubro café;


Das tuas glebas em que retrata;


Que o povo heróico trabalha em pé;


Teu peito jovem que nos fascinam;


Mais jovem belo sempre será!


Prossegue em frente Nova Londrina


Estrela de ouro do meu Paraná.



Nova Londrina, Estado do Paraná - Brasil -Treze (13) Legislaturas - Catorze (14) Prefeitos Eleitos Pelo Voto Direto; Quadro contendo: Subprefeito e os Dezoito (18) Prefeitos que assumiram mandatos: